Políticas Públicas e o Investimento Direto Estrangeiro no Brasil

Jaíne Lana, Stephanie Tonn Goulart Moura, Christian Daniel Falaster

Abstract


Objetivo do estudo: Analisar os efeitos das políticas públicas realizadas pelo governo Brasileiro na atração de investimento direto estrangeiro.

Metodologia/abordagem: Estudo exploratório e quantitativo, que utiliza de regressão linear múltipla.

Originalidade/Relevância: Este estudo evidencia as influências político-econômicas nas estratégias de investimento estrangeiro, determinando quais as políticas que impactaram na atração do IDE no Brasil.

Principais Resultados: Os resultados apontam que o Plano Real, o COPOM e o PAC foram as políticas públicas com maior sucesso na atração de investimento direto estrangeiro, no período estudado.

Contribuições teóricas/metodológicas: O estudo apresenta quais as políticas públicas que influenciaram no investimento estrangeiro no Brasil. Em específico, o estudo mostra que políticas voltadas à estabilidade econômica e institucional são as mais importantes para a atração de IDE.

 


Keywords


Instituições; Política Pública Brasileira; IDE.

References


Amal, M. (2014). Reformas econômico-institucionais e investimento direto externo na América Latina. Editora Appris.

Amal, M., & Seabra, F. (2007). Determinantes do investimento direto externo (IDE) na América Latina: uma perspectiva institucional. Revista economia, 8(2), 231-247.

Asiedu, E. (2002). On the determinants of foreign direct investment to developing countries: is Africa different?. World development, 30(1), 107-119.

Banco Central do Brasil. Definição e Histórico: COPOM. Disponível em: < https://www.bcb.gov.br/htms/copom_normas/a-hist.asp?idpai=copom> Acesso em: 02 de setembro de 2018.

Boyacigiller, N., & Adler, N. J. (1997). Insiders and outsiders: Bridging the worlds of organizational behavior and international management. International business: An emerging vision, 396-416.

Cavusgil, S. T., Knight, G., & Riesenberger, J. R. (2010). Negócios internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Churchill, G. A., Brown, T. J., & Suter, T. A. (2011). Pesquisa básica de marketing. São Paulo: Cengage Learning.

Clark, G. (2008). Política econômica e Estado. estudos avançados, 22(62), 207-217.

Costa, L. P. D. S., & Figueira, A. C. R. (2017). Risco político e internacionalização de empresas: uma revisão bibliográfica. Cadernos EBAPE. BR, 15(1), 63-87.

Cuervo-Cazurra, A., Inkpen, A., Musacchio, A., & Ramaswamy, K. (2014). Governments as owners: State-owned multinational companies. Journal of International Business Studies, 45, 919–942.

Da Silveira, C., Martins, E., Samsonescu, D., Augusto, J., & Triches, D. (2017). The determinants of foreign direct investment in Brazil: empirical analysis for 2001-2013. CEPAL Review.

Derani, C. (2002). Privatizaçäo e serviços públicos: as açöes do Estado na produçäo econômica. In Privatizaçäo e serviços públicos: as açöes do Estado na produçäo econômica. São Paulo: Mas Limonad.

Dos Santos, P., A. (2013). Uma avaliação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no estado da Bahia (2007-10). Revista de Administração Pública, 47(1), 177-203.

Dunning, J. H., & Lundan, S. M. (2008). Multinational enterprises and the global economy. Edward Elgar Publishing.

Falaster, C., & Ferreira, M. A. (2018). How Generalized and Arbitrary Institutional Inefficiencies Shape Equity in Acquisitions. In Academy of Management Proceedings (Vol. 2018, No. 1, p. 15210). Academy of Management.

Ferreira, M. P., Serra, F. R., & Reis, N. R. (2011). Negócios internacionais: e internacionalização para as economias emergentes. Lisboa: Lidel.

Figueiredo, M. F., & Figueiredo, A. M. C. (1986). Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica (No. 15). São Paulo: Instituto de Estudos Econômicos, Sociais e Políticos de São Paulo.

Finchelstein, D. (2017). The role of the State in the internationalization of Latin American firms. Journal of World Business, 52(4), 578-590.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2016). O desenvolvimento das multinacionais brasileiras no cenário global. GV-executivo, 15(1), 34-37.

Frey, K. (2009). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, (21).

Hair, J., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman Companhia Ed.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2006). Multivariate data analysis. Uppersaddle River. 7 ed.

Hajkova, Dana, G. Nicoletti, L. Vartia, and K. Yoo. 2006. Taxation, Business Environment, and FDI Location in OECD Countries. OECD Economics Department Working Paper No. 502.

Harzing, A. W. (2002). Acquisitions versus greenfield investments: International strategy and management of entry modes. Strategic management journal, 23(3), 211-227.

Henisz, W. J. (2000). The institutional environment for multinational investment. The Journal of Law, Economics, and Organization, 16(2), 334-364.

Henisz, W. J. (2002). Politics and international investment: Measuring risks and protecting profits. Edward Elgar Publishing.

Iammarino, S. (2018). FDI and regional development policy. Journal of International Business Policy, 1(3-4), 157-183.

IBGE. Panorama do Brasil. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama > Acesso em: 30 de set. 2018

Jardim, M. C., & Silva, M. R. (2015). Programa de aceleração do crescimento (PAC): neodesenvolvimentismo?. SciELO-Editora UNESP.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2006). Administração de marketing. Tradução de: Mônica Rosenberg, Brasil Ramos Fernandes e Cláudia Freire. São Paulo: Prentice Hall.

Lamounier, B. (1982). Análise de políticas públicas: quadro teórico-metodológico de referência. São Paulo [sn, sd]. Mimeografado.

Laplane, M. F., & Sarti, F. (1997). Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e sociedade, 6(1), 143-181.

Lehmann, M. A. (1999). Country risks and the investment activity of US multinationals in developing countries (No. 99-133). International Monetary Fund.

Liu, X., Gao, L., Lu, J., & Lioliou, E. (2016). Environmental risks, localization and the overseas subsidiary performance of MNEs from an emerging economy. Journal of World Business, 51(3), 356-368.

Lopes Filho, L. S. (2000). Como tornar sua empresa competitiva e globalizada. São Paulo: Makron.

Lu, J., Liu, X., Wright, M., & Filatotchev, I. (2014). International experience and FDI location choices of Chinese firms: The moderating effects of home country government support and host country institutions. Journal of International Business Studies, 45(4), 428-449.

Luo, Y., Xue, Q., & Han, B. (2010). How emerging market governments promote outward FDI: Experience from China. Journal of World Business, 45(1), 68-79.

Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V. D., & Fernandes, B. H. (1999). Mudança e estratégia nas organizações: perspectivas cognitiva e institucional. Administração contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, 102-118.

Matos, P. R. F., & Neto, J. A. (2015). Analisando as decisões do COPOM. Brazilian Business Review, 12(6), 26.

Mercosul. O MERCOSUL na vida do cidadão. Disponível em: < http://www.mercosul.gov.br/o-mercosul-na-vida-do-cidadao > Acesso em: 18 de outubro de 2018.

Ministério do Planejamento. Sobre o PAC. Disponível em: < http://www.pac.gov.br/sobre-o-pac > Acesso em: 01 de setembro de 2018.

Monticelli, J. M., Calixto, C. V., Vasconcellos, S. L. D., & Garrido, I. L. (2017). The influence of formal institutions on the internationalization of companies in an emerging country. Revista brasileira de gestão de negócios, 19(65), 358-374.

Musacchio, A., Lazzarini, S. G., & Aguilera, R. V. (2015). New varieties of state capitalism: Strategic and governance implications. Academy of Management Perspectives, 29(1), 115-131.

North, D. C. (1991). Institutions. Journal of economic perspectives, 5(1), 97-112.

Oliveira, A. T. (2005) Políticas públicas e atividade administrativa. São Paulo: Fiuza Editores.

Oliveira, L. D. , & Vieira, M. M. F. (1999). Administração contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas.

Peng, M. W., Wang, D. Y., & Jiang, Y. (2008). An institution-based view of international business strategy: A focus on emerging economies. Journal of international business studies, 39(5), 920-936.

Pinto, C. F., Ferreira, M. P., Falaster, C., Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2017). Ownership in cross-border acquisitions and the role of government support. Journal of World Business, 52(4), 533-545.

PLANALTO. Lei 10668 - APEX. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.668.htm > Acesso em: 01 de setembro de 2018.

__________. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em: 01 de setembro de 2018.

__________. Lei 10219 – Programa Nacional de Renda mínima. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10219.htm> Acesso em: 01 de setembro de 2018.

__________. Lei 9491 – Programa Nacional de Desestatização. Disponível em: < http http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9491.htm> Acesso em: 01 de setembro de 2018.

Rocha, S. (2000). Pobreza e desigualdade no Brasil: o esgotamento dos efeitos distributivos do Plano Real.

Salerno, M. S. (2010). A política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo federal. Parcerias Estratégicas, 9(19), 13-36.

UNCTADS. Investimento direto estrangeiro: fluxo interno e externo e estoque anual. Disponível em: < http://unctadstat.unctad.org/wds/TableViewer/tableView.aspx > Acesso em: 30 de setembro de 2018

Vargas, M. D. B. (2009). Governo Federal Ministério do Trabalho e Emprego Ministro–Carlos Roberto Lupi Secretário Executivo–André Peixoto Figueiredo Lima Secretaria de Assuntos Estratégicos da.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional