Aglomerado Produtivo Competitivo ou Cooperativo? O Caso do Aglomerado Moveleiro do Carmo do Cajuru (MG)

Moisés Habib Bechelane Maia, Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, Cléber Carvalho de Castro

Abstract


Durante décadas o ambiente organizacional veio alterando-se e um novo paradigma emergiu: as redes interorganizacionais. Tais redes associadas a competitividade e a localização geográfica, acarretam no surgimento das aglomerações, que, embasadas em atividades cooperativas, permitem que as empresas adquiram vantagem competitiva. Dessa forma, o objetivo do presente artigo é caracterizar o processo de cooperação no aglomerado moveleiro do Carmo do Cajuru (MG). Para isso, a pesquisa foi dividida em duas etapas, na qual a primeira etapa (quantitativa) aplicou-se survey, e para a etapa posterior (qualitativa) desenvolveu-se entrevistas semiestruturadas. Assim, a utilização de duas técnicas de coleta de dados buscou-se aprofundar resultados, assim como triangulá-los.  Como principais resultados, constatou-se que, embora os sujeitos possuem percepções diferentes sobre competição e cooperação, ambos concordam que a competição se sobressai em relação a cooperação. Além disso, pela análise multivariada foi obtido dois grupos de empresas, no qual o primeiro foi composto de micro e pequenas empresas enquanto o segundo grupo foi composto de empresas maiores. Por último, verificou-se que o aglomerado é caracterizado como informal, e como tal, atribui as responsabilidades de suas interações a um órgão intermediador, apresenta vestígios de cooperação e a competitividade é mais destrutiva. Como contribuições do estudo destaca-se a consolidação teórica da disciplina de rede, bem como da literatura nacional sobre a temática. Além disso, destaca-se contribuições gerenciais a líderes e atores das redes.


Keywords


Cluster; Cooperação; Competição

References


Balestrin, J. A & Verschoore, J. (2016). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia (2ª ed.). Porto Alegre: Brookman. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(3), 3-16.

Balestro, M. V. (2004). Características estruturais e mecanismos de governança em redes de cooperação: apontamentos conceituais. In Verschoore, J. R. (Org.). Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE, 49-67.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 70, 225.

Best, M. H. (1990). The new competition: institutions of industrial restructuring. Harvard University Press.

Brito, J. (2004) Cooperação e aprendizado em arranjos produtivos locais: em busca de um referencial analítico. In Lastres, H. M. M. & Cassiolato J. E. (Org.). Arranjos produtivos locais: uma nova estratégia de ação para o Sebrae: relatório de atividades do referencial conceitual, metodológico, analítico e propositivo. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. [S. l.: s. n.], 23 p.

Brouthers, K. D., Brouthers, L. E., & Wilkinson, T. J. (1995). Strategic alliances: Choose your partners. Long range planning, 28(3), 2-25.

Casarotto Filho, N., & Pires, L. H. (2001). Redes de Pequenas e Médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a competitividade global com base na experiência italiana. (2° Ed.). São Paulo: Atlas.

Castells, M., & Cardoso, G. (Eds.). (2006). The network society: From knowledge to policy (pp. 3-23). Washington, DC: Johns Hopkins Center for Transatlantic Relations.

Creswell, J. W., & Clark, V. L. P. (2017). Designing and conducting mixed methods research. Sage publications.

Crocco, M. A., Galinari, R., Santos, F., Lemos, M. B., & Simões, R. (2006). Metodologia de identificação de aglomerações produtivas locais. Nova economia, 16(2), 211-241.

Cunha, I. J. (2002). Aglomerados industriais de economias em desenvolvimento: classificação e caracterização. Edeme.

Diomar (2000). História de Carmo do Cajuru: 1747-2000. Carmo do Cajuru: Off Set.

Erber, F. S. (2008). Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais industriais: comentando o conceito. Nova economia, 18(1), 11-31.

Evans, M. (2003). Evolution of Cooperation. In West, M. A., Tjosvold, d. & Smith, K. G. (Eds.). International handbook of organizational teamwork and cooperative working (pp. 45-54). New York, NY: Wiley.

Fan, C. C., & Scott, A. J. (2003). Industrial agglomeration and development: a survey of spatial economic issues in East Asia and a statistical analysis of Chinese regions. Economic geography, 79(3), 295-319.

Ferraz, J. C., Kupfer, D., & Haguenauer, L. (1995). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de janeiro: Campus, 386.

Forza, C. (2002). Survey research in operations management: a process-based perspective. International journal of operations & production management, 22(2), 152-194.

Galbraith, C. S., Rodriguez, C. L., & DeNoble, A. F. (2008). SME competitive strategy and location behavior: An exploratory study of high‐technology manufacturing. Journal of Small Business Management, 46(2), 183-202.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6° Ed.) Atlas, São Paulo, 200p.

Godoy, A. S. (2005). Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 3(2).

Gomez, G. M., & Helmsing, A. H. J. (2008). Selective spatial closure and local economic development: What do we learn from the Argentine local currency systems?. World Development, 36(11), 2489-2511.

Hair Junior, F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Iacono, A., & Nagano, M. S. (2007). Uma análise e reflexão sobre os principais instrumentos para o desenvolvimento sustentável dos arranjos produtivos locais no Brasil. Revista Gestão Industrial, 3(1).

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI). (2003). Os sistemas locais de produção/Inovação – Caras novas na discussão das políticas industrial e tecnológica. São Paulo. Carta n. 54.

Johnson-Cramer, M. E.; Parise, S & Cross, R.L. (2007) Managing chande throught networks and values. California Management Review, 47(3), 85-109.

Lastres, H. M., & Cassiolato, J. E. (2003). Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: IE.

Leão, D. A. F. S. (2005). Relevância da teoria da coopetição para a compreensão da dinâmica dos relacionamentos entre empresas concorrentes. In II Encontro de Estudos em Estratégia. Anais ... Rio de Janeiro: ANPAD.

Lemos, C. (1997). Notas preliminares do projeto arranjos locais e capacidade inovativa em contexto crescentemente globalizado. IE/UFRJ, Rio de Janeiro, mimeo.

Lincoln, Y. S., & Guba, E. G. (1986). But is it rigorous? Trustworthiness and authenticity in naturalistic evaluation. New directions for program evaluation, 1986(30), 73-84.

Linhares, L. (2008). Arranjos Produtivos Em Espaços Periféricos: Análise Multivariada Para Minas Gerais. In XIII Seminário sobre a Economia Mineira [Proceedings of the 13th Seminar on the Economy of Minas Gerais]. Anais... Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais.

Lipman-Blumen, J. (1999). Liderança conectiva: como liderar em um novo mundo de interdependências, diversidade e virtualmente conectado. São Paulo: Makron Books.

Lübeck, R. M., Wittmann, M. L., & Silva, M. S. (2012). Afinal, Quais Variáveis Caracterizam a Existência de Cluster Arranjos Produtivos Locais (APLs) e dos Sistemas Locais de Produção e Inovação (SLPIs)?. Revista Ibero Americana de Estratégia, 11(1).

Machado, S. A. (2003). Dinâmica dos arranjos produtivos locais: um estudo de caso em Santa Gertrudes, a nova capital da cerâmica brasileira. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção. Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Maia, M. H. B., Antunes, L. G. R., & Castro, C. C. (2017). Aglomerado Produtivo Competitivo ou Cooperativo? O Caso do Aglomerado Moveleiro do Carmo do Cajuru (MG). Congresso de Administração, Sociedade Inovação (CASI). Anais... Petrópolis, Rio de Janeiro. 10.

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de marketing: foco na decisão. (3° Ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Malhotra, M. K., & Grover, V. (1998). An assessment of survey research in POM: from constructs to theory. Journal of operations management, 16(4), 407-425.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2005). Fundamentos de Metodologia Científica. (6° Ed.). São Paulo: Atlas, 2005.

Maroco, J. (2010). Análise estatística: com utilização do SPSS. Lisboa, Edições Silabo.

Marshall, A. (1966). Principles of Economics: An introductory volume. (8° Ed.). London: Macmillan.

Matheus, M. R. F. B. (2003). Cluster e desenvolvimento local: um estudo exploratório das empresas moveleiras de Carmo do Cajuru. In: XV Prêmio Minas de Economia, Anais... Belo Horizonte.

Mendonça, F. M. (2008). Formação, desenvolvimento e estruturação de arranjos Produtivos locais da indústria tradicional do estado de Minas Gerais. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Morse, J. M. (1991). Approaches to qualitative-quantitative methodological triangulation. Nursing research, 40(2), 120-123.

Nohria, N. (1992). Is a network perspective a usefull way of studyng organizations?. In Nohria, N & Eccles, R. G. Networks and organizations: structure, form and action (1-22). Boston: Harvard Business School Press.

Oliveira, M. F., & Gonçalves, C. A. (2011). Estratégia cooperativa em redes organizacionais: um estudo em polo turístico de Minas Gerais. Revista Ibero Americana de Estratégia, 10(2).

Park, S. H., & Ungson, G. R. (2001). Interfirm rivalry and managerial complexity: A conceptual framework of alliance failure. Organization science, 12(1), 37-53.

Pedrosa, P. T. M., Antunes, L. G. R., Morais, R. & Rodrigues, T. C. (2018). Vale da Eletrônica e Poder Público Municipal: Desvelando suas Relações acerca do APL de Santa Rita do Sapucaí (MG). In X Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Anais... São Paulo (SP).

Porter, M. E. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Possas, M. S. (1993). Concorrência e competitividade: notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. São Paulo: Hucitec.

Puga, F. (2003). Alternativas de apoio a MPMES localizadas em arranjos produtivos locais.[SL]: BNDES.

Rangone, A. (1999). A resource-based approach to strategy analysis in small-medium sized enterprises. Small business economics, 12(3), 233-248.

Relatório Anual de Informações Sociais (RAIS). (2009). Recuperado de .

Saublens, C. (1999). Clusters, Industrial Districts, Local Produtive Systems. Eurorapport, nº6, Bruxelas, Eurada.

Selltiz, C. (1965). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder.

Snow, C. C. (2015). Organizing in the age of competition, cooperation, and collaboration. Journal of leadership & organizational studies, 22(4), 433-442.

Thomazi, S. M. (2006). Cluster de turismo: introdução ao estudo de arranjo produtivo local. Aleph.

Tonin, G. A., da Silva Ravanello, F., Bertóli, N. C., & Tonin, S. (2016). A Formação de Redes de Empresas: o caso da região central do Rio Grande do Sul–RS. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 8(3), 3-30.

Vergara, S. C. (2015). Métodos de Pesquisa Qualitativa em Administração. (6°. Ed). Atlas, São Paulo.

Verschoore, J. R., & Balestrin, A. (2008). Fatores relevantes para o estabelecimento de redes de cooperação entre empresas do Rio Grande do Sul. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 12(4).

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. (3ª. Ed.). Porto alegre: Bookman.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2012). Quando a cooperação falha: um estudo de caso sobre o fracasso de uma rede interorganizacional. Revista de Administração Mackenzie (Mackenzie Management Review), 13(1).


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756