Business Model and Innovation at a Public Company in the Agroindustrial Coffee Chain

João Marcos Caixeta Franco, Mariane Figueira, Joel Yutaka Sugano, Sabrina Soares da Silva

Abstract


Objective: Our objective was to evaluate, through the analysis of the ‘business model,’ the strategy of a public agricultural research company for the creation and launch of an innovation for the agro-industrial coffee chain.

Method: We developed a single instrumental case study for the qualitative research.  For data collection we used bibliographic and documentary research, as well as in-depth interviews and analyzed based on the thematic content analysis technique.  The instrumental case study has proved to be the most suitable methodology since it is used when a particular case is examined to provide information on an issue that can be generalized and used to understand a larger reality.

Originality/relevance: In this paper we reexamined an unsuccessful innovation case associated with the lens of the business model theoretical construct.   This paper is willing to raise issues that restrict innovation in public research companies.

Results: The paper unveiled difficulties related to the inconsistency of innovation promotion policies and legal uncertainty, in particular, by the contradictory positions of legal advisors, which inhibit researchers from engaging in innovative activities and in partnerships with private companies.

Theoretical/methodological contributions: The instrumental case study developed, together with the analysis based on the construct of the business model, allowed a better understanding of the problems faced in public research environments in Brazil.  This analysis can be applied to similar cases, since the issue of innovation in the public sector and the difficulties of appropriateness are common to other companies.


Keywords


Coffee. Innovation. Agricultural Biotechnology. Business Model.

References


Albuquerque, L. C. (2005). Geração de riqueza: o papel dos institutos de pesquisa. In: Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, 3, Brasília. Anais... Brasília: MCT/CGEE/ABIPTI.

Albuquerque, M. E. E., Bonacelli, M. B. M., & Weigel, P. (2010). A questão ambiental e a contribuição dos institutos de pesquisa à geração de tecnologias ambientalmente sustentáveis. Parcerias Estratégicas, 15(30), 9-24.

Albuquerque, M. E. E. (2011). Modelos de ‘excelência’ gerencial nos institutos e centros de P&D brasileiros: entre falácias, modismos e inovações. Tese de doutorado. Campinas, SP.: [s.n.], 270 p.

Alves, E. (1985). Modelo institucional da Embrapa. In: YEGANIANTZ, Levon (Org.) Perspectiva histó¬rica e desenvolvimento institucional. Brasília: Embrapa, 1985, 373-393.

Amorim, J. de A., & Agostinho, O. L. (2013). Interação universidade-empresa: um modelo de referência para escritórios de transferência de tecnologia. Parcerias Estratégicas. Ed. Esp. Brasília-DF, 18(36), 75-104.

Angélico, C. L. (2012). Aplicação do agente biológico Cladosporium cladosporioides (Fresen) de Vries “Cladosporin” como bioprotetor da qualidade do café (Coffea arabica L.). Tese de Doutorado. Lavras: UFLA. 321 p.

Araoz, A. (1996). Industrial technology research institutes in Latin América: their role in the 1990’s. In: Seminário Internacional: “O papel dos institutos de pesquisa em tecnologia industrial”. São Paulo. Anais... Brasília: Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica, 13-34.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 42.

Bonacelli, M. B. M., Fuck, M. P., & Castro, A. C. (2015). O Sistema de Inovação Agrícola: instituições, competências e desafios no contexto brasileiro. In: Propriedade Intelectual e Inovações na Agricultura. INC/PPED, 21, 81-101.

Brasil. Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2004. Retrieved October 1, 2018, from http://goo.gl/h8WAw.

Carvalho, S. M. P. (1997). Proteção de cultivares e apropriabilidade econômica no mercado de sementes no Brasil. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, 14(3), 363-409.

Chesbrough, H., & Rosenbloom, R. (2002). The role of the business model in capturing value from innovation: evidence from Xerox Corporation’s technology spin-off companies. Industrial and Corporate Change, 11(3), 529-555.

Cezar, J. (2009) Cap. 7 Avaliação do potencial de mercado de tecnologias nascentes: a experiência do Programa de Investigação Tecnológica na Unicamp. In: Santos, M.E.R.; Toledo, P.T.M.; Lotufo, R.A. (ORG) Transferência de Tecnologia: Estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. 1. ed. Campinas: Komedi, 1. 350 p. Retrieved October 1, 2018, from https://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de%20tecnologia_0.pdf.

CGEE. (2010). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Modelos institucionais das organizações de pesquisa. Brasília: CGEE.

Cortez, J. G. (1996). Melhoramento da qualidade do café brasileiro: influência de sistemas de produção e processamento sobre algumas características da bebida. 48f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos, Campinas, SP. Retrieved October 1, 2018, from http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000107408.

Demircioglu, M. A., & Audretsch, D. B. (2017). Conditions for innovation in public sector organizations. Research Policy, 46, 1681-1691.

Dosi, G. (2006). Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria de semicondutores. Campinas: Editora da UNICAMP, 460 p.

Dul, J., & Hak, T. (2008). Case study methodology in business research. New York: Routledge. 302 p.

Erber, F. S. (1992) Desenvolvimento industrial e tecnológico na década de 90: uma nova política para um novo padrão de desenvolvimento. Ensaios FEE, 13(1), 9-42.

Erber, F. S. (maio, 2000) Perspectivas da América Latina em Ciência e Tecnologia. Parcerias Estratégicas. (8), 181-200.

Fortuin, F. T. J. M. (2006). Aligning innovation to business strategy: combining cross-industry and longitudinal perspectives on strategic alignment in leading technology-based companies. (Tese de Doutorado). Waginingen University and Research Center, Waginingen University, Wageningen.

Freitas, A. S., Filard, S., Lott, A. C. de O., & Braga, D. (julho/setembro, 2017). Inovação aberta nas empresas brasileiras: uma análise da produção acadêmica no período de 2003 a 2016. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 16(3).

Fuentes, V. L. P., & Tavares, L. E. S. (2008). Apropriabilidade, mecanismos de apropriabilidade e inovação no setor de software livre. In: Encontro nacional dos programas de pós-graduação em administração, 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Gault, F. (2018). Defining and measuring innovation in all sectors of the economy. Research Policy, 47, 627-622.

Godoy, A. S. (mar./abr. 1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 35(2), 57-63.

Gummesson, E. (out./dez., 2014). Service research methodology: from case study research to case theory. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 13(4), 8-17.

Hurmelinna-Laukkanen, P., Sainio, L., & Jauhiainen, T. (2008). Appropriability regime for radical and incremental innovations. R&D Management, 38(3), 278-289.

Intarakumnerd, P., & Goto, A. (2018). Role of public research institutes in national innovation systems in industrialized countries: The cases of Fraunhofer, NIST, CSIRO, AIST, and ITRI. Research Policy, 47, 1309-1320.

Keane, S. F., Cormican, K. T., & Sheahan, J. N. (2018). Comparing how entrepreneurs and managers represent the elements of the business model canvas. Journal of Business Venturing Insights, 9, 65-74.

Ladd, T. (2018). Does the business model canvas drive venture success? Journal of Research in Marketing and Entrepreneurship, 20(1), 57-69.

Lotufo, R.A. (ORG). (2018) Transferência de Tecnologia: Estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. 1. ed. Campinas: Komedi. 1. 350 p. Retrieved October 1, 2018, from https://www.inova.unicamp.br/sites/default/files/documents/Livro%20Transferencia%20de%20tecnologia_0.pdf.

Luoa, J., Guob, H., & Jiac, F. (2017). Technological innovation in agricultural co-operatives in China: implications for agro-food innovation policies. Food Policy, 73, 19-33.

Luqmani, A., Leach, M., & Jesson, D. (2017). Factors behind sustainable business innovation: the case of a global carpet manufacturing company. Environmental Innovation and Societal Transitions, 24, 94-105.

Markovitch, J. (1978) Interação da instituição e pesquisa industrial com seu ambiente e suas implicações na eficácia organizacional. 340f. Tese (Livre-Docência) – Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). (2005). Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3ª Ed. Paris: OCDE.

Osterwalder, A. (2004). The business model ontology – a proposition in a design science approach, (Tese de Doutorado). Ecole des Hautes Etudes commerciales, Université de Lausanne, Lausanne.

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2011). Business Model Generation: inovação em modelos de negócios: um manual para visionários, inovadores e revolucionários. Rio de Janeiro: Alta Books.

Puhlman. A. C. A. (2009). Práticas para a proteção de tecnologias: a experiência do Programa de Investigação Tecnológica na Unicamp. In: Santos, M.E.R.; Toledo, P.T.M.;

Rauen, C. V. (2016). O Novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICT-Empresa? Radar, 43, 21-35.

Ribeiro, V. C. dos S., Salles-Filho, S. L. M., & Bin, A. (2013). Evolução Recente dos Modelos Gerenciais do Institutos Públicos de Pesquisa no Brasil. XXXVII Enanpad. Anais... Rio de Janeiro. 7-11 de dezembro de 2013.

Ribeiro, V. C. dos S., Salles-Filho, S. L. M., & Bin, A. (2015). Gestão de institutos públicos de pesquisa no Brasil: limites do modelo jurídico. Revista de Administração Pública, 49, 3, p. 595-614.

Ribeiro, V. C. S. (2006). Conhecimento e capacitação: uma aliança estratégica nos institutos de pesquisas. 2006. 203p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Salles, S. L. M. F., & Bonacelli, M. B. (2005). Trajetórias e agendas para os institutos e centros de pesquisa no Brasil. In: Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, 3, Brasília. Anais... Brasília: MCT/CGEE/ABIPTI, 1399-1428.

Sant’anna, V. M. (1978). Ciência e sociedade no Brasil. São Paulo: Símbolo, 1978.

Sapienza, A. M. (2004) Managing scientists: leadership strategies in scientific research. 2ed. Roboken: Wiley-Liss.

Scholze, S., & Chamas, C. (2000). Instituições Públicas de Pesquisa e o Setor Empresarial: o papel da inovação e da propriedade intelectual. In: Parcerias Estratégicas. MCT, Centro de Estudos Estratégicos (CEE), Brasilia: DF. ISSN 1413-9375, (8).

Stake, R. E. (1994). Qualitative case studies. In: Stake, R. E., Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (1994). Handbook of qualitative research. SAGE, Londres.

Suzigan, W., & Albuquerque, E.M. (2008). A interação entre universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. Belo Horizonte: CEDEPLAR/FACE/UFMG, Texto para Discussão, (329).

Teece, D. J. (1996). Firm organization, industrial structure, and technological innovation. Journal of Economic Behavior & Organization. 31, 193-224.

Teece, D. J. (jul./dez. 2007). Profiting from technological innovation: implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Revista Brasileira de Inovação, 6 (2), 259-279.

Teece, D. J. (2018). Business models and dynamic capabilities. Long Range Planning, 51, 40-49.

Velho, L., Velho, P., & Sáenz, T. W. (2004) P&D nos setores público e privado no Brasil: complementares ou substitutos? Parcerias Estratégicas. (9), pp.87-127.

Zucoloto, G. F., & Freitas, R. E. (org.). (2013). Propriedade intelectual e aspectos regulatórios em biotecnologia. Rio de Janeiro: Ipea, 240 p.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756