Open Innovation in Brazilian Companies: An Analysis of Scientific Papers from 2003 to 2016

Angilberto Sabino de Freitas, Fernando Filardi, Ana Cristina de Oliveira Lott, Daniel Braga

Abstract


The objective of this article is to draw a profile of the research in Open Innovation (OI) in Brazil from 2003 to 2016 in Brazilian journals of the management area. This paper aims to highlight existing gaps and opportunities to contribute to the advancement of the theme. We have identified 32 studies that reveal that the theme is not yet consolidated in Brazilian researchers' agendas. The results highlight that: (i) the empirical studies are the majority, with 24 articles, among which 19 research have a qualitative nature, (ii) the only two thematic categories identified are (1) benefits and advantages of open innovation, with 13 studies Which consider the relevance of adopting the open innovation model in the view of the organization as well as the perspective of clients and the network; and (2) level of adoption of the open innovation, with 19 researches regarding the effective adoption or not of the open innovation ​​model, in which were focused public and private organizations that are located in different industries and sectors of the economy.


Keywords


Innovation; Open Innovation; Cooperation Networks.

References


Andrade, M. (2015). Evidências teóricas para compreensão da inovação aberta (open innovation) nas organizações. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(1), 31-42.

Balestrin, A., & Verschoore, J. (2010). Aprendizagem e inovação no contexto das redes de cooperação entre pequenas e médias empresas. Organizações & Sociedade, 17(53), 311-330.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Benevides G., Oliveira E., & Mendes R. (2016). A utilização do modelo de inovação aberta como ferramenta competitiva em APLS. Revista Alcance, 23(1), 4-18.

Bueno, B., & Balestrin, A. (2012). Inovação colaborativa: uma abordagem aberta no desenvolvimento de novos produtos. Revista de Administração de Empresas 52(5), 517-530.

Caetano, M., Schnetzler, J., & Amaral, D. (2012). Incorporação de parcerias no planejamento estratégico da inovação em uma estratégia technology push de integração. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 89-112.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, 15 (4), 679-684.

Chesbrough, H. (2003). Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: HBS Press.

Chesbrough, H., & Kardon, A. (2006). Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. R&D Management, 36(3), 229-236.

Chesbrough, H., Vanhaverbeke, W., & West, J. (2006). Open innovation: researching a new paradigm. Oxford: Oxford University Press.

Christensen, C. (2012). O dilema da inovação: quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso. São Paulo: M. Books do Brasil.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Dahlander, L.; Gann, D.M. (2010). How open is innovation? Research Policy, 39, 699-709.

Desidério, P., & Popadiuk, S. (2015). Redes de inovação aberta e compartilhamento do conhecimento: aplicações em pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, 12(2), 110-129.

Dewes, M., & Padula, A. (2012). Innovation in a strategic development program: the aerospace program in Brazil. Revista Brasileira de Inovação, 11(1), 169-194.

Drucker, P. F. (1986). O novo papel da administração. São Paulo: Nova Cultural.

Eboli, L., & Dib, L. (2013). Criação coletiva na web 2.0: um estudo de caso em uma empresa brasileira. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 12(3), 1-22.

Faccin K., & Brand F. (2015). Inovação Aberta E Redes: Enfoques, Tendências E desafios. Revista de Administração IMED, 5(1), 10-25.

Figueiredo, J., & Grieco, A. (2013). O papel da inovação aberta na internacionalização de empresas em rede: o caso Brasil Foods. Revista de Administração e Inovação, 10(4), 63-84.

Francis, D., & Bessant, J. (2005). Targeting innovation and implications for capability development. Technovation, 25(3), 171-183.

Freitas, R., & Dacorso, A. (2014). Inovação aberta na gestão pública: análise do plano de ação brasileiro para a open government partnership. Revista de Administração Pública, 48(4), 869-888.

Garcez, M., Sbragia, R., & Kruglianskas, I. (2014). Factors for selecting partners in innovation projects - evidences from alliances in the brazilian petrochemical leader. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 241-272.

Gil, A. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas.

Jonash, R., & Sommerlatte, T. (2001). O valor da inovação: como as empresas mais avançadas atingem alto desempenho e lucratividade. Rio de Janeiro: Campus.

Kafouros, M. I., & Forsans, N. (2012). The role of open innovation in emerging economies: do companies profit from the scientific knowledge of others? Journal of World Business, 47(3), 362-370.

Marques H. et al. (2016). Cooperation for technological development: an analysis in the context of federal universities of Minas Gerais state. Revista de Administração e Inovação, 13(1), 127-146.

Oliveira, S., & Alves, J. (2014). Influência das práticas de inovação aberta na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, 11(1), 295-318.

Pitassi, C. (2012a). A virtualidade nas estratégias de inovação aberta: proposta e articulação conceitual. Revista de Administração Pública, 46(2), 619-641.

Pitassi, C. (2012b). Inovação aberta na perspectiva das empresas brasileiras de base tecnológica: proposta de articulação conceitual. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 77-102.

Pitassi, C. (2014). Inovação aberta nas estratégias competitivas das empresas brasileiras. Revista Brasileira de Estratégia, 7(1), 18-36.

Robertson, T. (1967). The process of innovation and the diffusion of innovation. Journal of Marketing, 31, 14-19. Disponível em:

?seq=1#page_scan_tab_contents>. Acesso em 03. mar. 2016.

Rodrigues, L. et al. (2012). Inovação aberta e internacionalização de negócio. Revista Pretexto, 13(3), 92-107.

Rodrigues, L., Maccari, E., & Campanario, M. (2011). Expanding the open innovation concept: the case of Totvs S/A. Journal of Information Systems and Technology Management, 7(3), 737-754.

Rogers, E. M. (1995). Diffusion of innovation. 5.ed. New York: The Free Press.

Santos, M., Zilber, M., & Toledo, L. (2011). A study concerning open innovation and its relation to innovation and market orientation. Future Studies Research Journal - Future Journal, 3(2), 186-211.

Silva, B. et al. (2013). Contribuições da inovação aberta para uma empresa de comunicação. Revista Gestão & Tecnologia, 13(2), 222-246.

Silva, S. (2016). A capacidade dinâmica de “orquestração de redes de inovação” no modelo de inovação aberta. Revista Alcance, 23(1), 19-33.

Silva, G., & Dacorso, A. (2013a). Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. Revista de Administração e Inovação, 10(3), 251-268.

Silva, G., & Dacorso, A. (2013b). Perspectivas de inovação na micro e pequena empresa. Revista Economia e Gestão, 13(33), 90-107.

Silva, G., & Dacorso, A. (2014). Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 229-255.

Silva, G. et al. (2016). Relationships and partnerships in small companies: strengthening the business through external agents. Brazilian Administration Review, fev, 1-18.

Silva, G., & Silva, D. (2015). Inovação aberta em serviços e o papel do cliente no ambiente de negócios: uma análise com estudantes universitários. Revista de Gestão e Tecnologia – Navus, 5(3), 74-87

Silva, M., & Zilber, M. (2013). Benefícios percebidos pela adoção do processo de inovação aberta. Revista de Administração da UNIMEP, 11(3), 1-24.

Sluszz, T. et al. (2013). O modelo de inovação aberta no apoio ao desenvolvimento regional: o caso do Proeta. Desenvolvimento em Questão, 11(24), 141-168.

Soda, G. (2011). The management of firms’ alliance network positioning: implications for innovation. European Management Journal, 29, p. 377- 388.

Stal, E., Nohara, J., & Chagas, M. (2014). Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 295-320.

Teece, D. J. (2010). Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, 43(2), 172-194.

Tigre, P. (2006). Gestão da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Trentini A. et al. (2012). Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação?. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, 5(1), 88-109.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Varrichio, P. (2016). Uma discussão sobre a estratégia de inovação aberta em grandes empresas e os programas de relacionamento voltados para startups no Brasil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace 7(1), 148-161.

Wang, M. (2012). Exploring potential R&D collaborators with complementary technologies: the case of biosensors. Technological Forecasting & Social Change, 79, 862-874.

Woerter, M., & Roper, S. (2010). Openness and innovation - home and export demand effects onmanufacturing innovation: panel data evidence for Ireland and Switzerland. Research Policy, 39(1), 155-164.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional