Controle Estratégico e Proposta de Valor no Modelo de Negócio de Operadores Logísticos com Sede no Brasil

Clébia Ciupak Ferreira, Leonel Cezar Rodrigues, Marcos Antonio Maia de Oliveira, Valeria Riscarolli

Abstract


O presente artigo objetiva caracterizar a proposta de valor e o controle estratégico utilizado no modelo de negócio das principais Operadores Logísticos (OL) de empresas de logística, sediadas no país. Para tanto, utilizou-se de uma amostra por disponibilidade, conveniência e acessibilidade, dos principais OLs brasileiros. Foram enviados 285 questionários, respondidos 206 e considerados apenas 185 para tratamento estatístico descritivo. Os principais resultados indicam que os OLs pesquisados diferem em suas propostas de valor e controle estratégico em função de seu porte típico. Grandes OLs oferecem pacotes completos de serviços logísticos extras, enquanto médios comprometem-se co serviços, dentro de um grau permissível de terceirizações e pequenos OLs modelam seus negócios apenas pelo que lhes permite sua especialidade. Conclui-se que o modelo de negócio dos OLs sediados no país varia tanto na forma e na natureza, quanto no volume de suas propostas de valor, que se enquadram dentro do conceito de superserviços, serviços por conveniência e serviços por especialidade, respectivamente. O controle estratégico, porém, é diversificado e orienta-se por razões de capacidade racional de suas estruturas, nos OLs de grande e médio portes e por razões de especialidade nos de pequeno porte.


Keywords


modelo de negócio; operador logístico; prestador de serviços logísticos; proposta de valor; controle estratégico.

References


ABML – Associação Brasileira de Movimentação Logística (1999). O Conceito de Operador Logístico. Revista Tecnologística, Fev. p.35-45.

Applegate, L.M. (2000). E-Business Models: Making sense of the internet business landscape. In: Dickson, G. and DeSanctis, G. (eds.) Information Technology and the Future Enterprise. (NJ): Prentice-Hall, 49-101.

Bade, D. J., Mueller, J. K. (1999). New for the millennium: 4PL'', Transportation & Distribution, February, 78-80.

Berglund, P.; Peters, M. (2000). Third-party logistics in Europe – five years later, International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v.30 (5), 425-442.

Bovet, D.; Martha, J. (2001). Value Nets – Breaking the Supply Chain to Unlock Hidden Profits. N.Y.: John Wiley & Sons.

Christopher, M. & Towill, D. (2001). An integrated model for the design of agile supply chains. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, vol. 31(4), 235-246.

Copacino, W.C. (1998). Copacino on strategy: get the complete supply chain picture. Logistics Management and Distribution. Report 37 (11), 45.

Cottrill, K. (2000). Return to sender. Traffic World. v. 262 (7), 17-18.

Dornier, P.; Ernst, R.; Fender, Michel; & Kouvelis, P. (2000). Logística e Operações Globais. São Paulo: Atlas.

Fleury, P. F. (2001). Vantagens Competitivas e Estratégicas no Uso de Operadores Logísticos. Artigo de Centro de Estudos em Logística – COPPEAD – UFRJ.

Gomes, C. F. Ribeiro, P. C. (2004). Gestão da Cadeia de Suprimentos integrada à tecnologia da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Hagel III, J. (2003). Pensando Fora do Quadrado. Rio de Janeiro: Campus.

Hoffman, K.C. (2000). Just What is a 4PL Anyway? Global Logistics & Supply Chain Strategies. Disponível em: www.supplychainbrain.com/content/index.php?id=5032&cHash=081010&tx_ttnews[tt_news]=2214. Acesso em 01/02/2016.

Laarhoven, P., Berglund, M. Peters, M. (2000). Third-party logistics in Europe – five years later, International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v.30 (5), 425-442.

Associação Nacional de Transporte de Carga e Logística. 2015. Disponível em: http://www.portalntc.org.br/media/images/publicacoes/anuario-2011-2012/index.html#58. Acesso em: 20/11/2015.

Porter, M. E. (1998). On Competition. Cambridge (MA): Harvard Business School Publishing.

Rodrigues, L.C. (2006). Tecendo um Nova Rede de Integração. In: Microsoft (Coord), Lucratividade pela Inovação, p. 63-103. Rio de Janeiro: Elsevier.

Santos, A. R. (2001). Metodologia Científica: a construção do conhecimento. 4ª ed. Rio de Janeiro: D P&A.

Seddon, P. B.; Lewis, G. P. (2003). Strategy and Business Models: what's the difference? Proceedings of the PACIFIC ASIA CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS, 10-13 July.

Sink, H. L.; Langley, Jr., C. J.; Gibson, B. J. (1996). Buyer observations of the US third-party logistics market. International Journal of Physical Distributions & Logistics Management v. 18 (2),163-189.

Skjoett-Larsen, T. (2000). Third party logistics - from an inter organizational point of view, International Journal of Physical Distribution And Logistics Management, v.30 (2), 112-127.

Wilson, R., Delaney, R., e Delaney R.V. (2015). Logistics and the internet: in the Frantic Search for Space, it is Still About Relationships. Report on XI Annual State of Logistics Report, National Press Club, Washington, DC, 05-06-2000. Disponível em: http://issuu.com/publicare/docs/tecno_maio_2001_completa?e=3094345/6617296 Acesso em: 16/03/2015.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional