RESENHA DESCRITIVA - Cambridge Handbook of Strategy-as-Practice v.1

Marcio Luiz Marietto

Abstract


Desde o artigo seminal de Whittington (1996) propondo que os estudos em Estratégia Organizacional levassem em consideração a estratégia do ponto de vista sociológico, em detrimento somente ao ponto de vista econômico, a abordagem da Estratégia como Prática (S-as-P), no exterior, parece estar se consolidado. A prova da robustez destes estudos encontra-se no primeiro volume do Handbook de Estratégia como Prática lançado em 2010. O livro, mais do que detalhar estudos passados forneceu (além das direções ontológicas, teóricas e metodológicas) perspectivas alternativas para a expansão e o desenvolvimento futuro da área. Todavia, os estudos da S-as-P na América Latina e, em especial, no Brasil parecem, ainda, encontrar dificuldades de compreensão das propostas da abordagem. Desta forma, com o objetivo de contribuir para uma melhor compreensão dos pressupostos ontológicos, teóricos e metodológicos para o aumento da qualidade das futuras pesquisas Brasileiras e Latino Americanas na S-as-P, devido ao alcance internacional da RIAE, optou-se pela realização de uma resenha descritiva, também conhecida como resenha resumo, do conteúdo do Handbook. Para melhor direcionar este objetivo não foi realizada a resenha da última parte (Parte IV) do livro. Esta seção mostra exemplos de estudos empíricos realizados na área da S-as-P. Também, existe a intenção futura de se realizar a resenha descritiva do segundo volume do Handbook de Estratégia como Prática publicado em 2015.


Keywords


Estratégia como Prática; Pressupostos Ontológicos; Pressupostos Teóricos; Pressupostos Metodológicos

References


Bourdieu, P. (1990) The Logic of Practice. Cambridge: Polity Press.

De Certeau, M. (1984) The Practice of Everyday Life. Berkeley: University of California Press.

Dreyfus, H. (1991) Being-in-the-World. Cambridge, MA: The MIT Press.

Engeström, Y., Miettinen, R. & Punamäki, R-L. (eds.) (1999) Perspectives on Activity Theory. Cambridge: Cambridge University Press.

Fairclough, N. (2003) Analyzing Discourse: Textual Analysis for Social Research. London: Routledge.

Foucault, M. (1977) Discipline and Punish. The Birth of the Prison. New York: Pantheon Books.

Garfinkel, H. (1967) Studies in ethnomethodology. 2ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Garfinkel, H. & Sacks, H. (1970) ‘On formal structures of practical actions’. In J. D. Mckinney & E. A. Tiryakian (eds) Theoretical sociology. New York: Appleton-Century Crofts, 337–366.

Giddens, A. (1984) The Constitution of Society. Oxford: Polity Press.

Leontiev, A. N. (1978) Activity, Consciousness and Personality. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Locke, K. & Golden-Biddle, K. (1997) Constructing Opportunities for Contribution: Structuring Intertextual Coherence and “Problematizing” in Organizational Studies. Academy of Management Journal, 40(5): 1023–1062.

Martin, J. (2003) Feminist theory and critical theory: Unexplored synergies. Studying Management Critically, 66-91.

Ortner, S. B. (2006) Anthropology and Social Theory. Culture, Power and the Acting Subject. Durham: Duke University Press.

Tuomela, R. (2005) The Philosophy of Social Practices. A Collective Acceptance View. Cambridge: Cambridge University Press.

Vygotsky, L. (1978) Mind in Society: The Development of Higher Psychological Processes. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Whittington, R. (1996) Strategy as practice. Long Range Planning: 29(5): 731-735.

Wittgenstein, L. (1951) Philosophical Investigations. Oxford: Basil Blackwell.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional