Autoavaliação e seus Drivers de Mudança Institucional Baseado na Capacidade Absortiva

Thiago Coelho Soares, Gisele Mazon

Abstract


Este artigo tem como objetivo verificar a implantação do SkandiaNavigator como uma ferramenta de gestão em um programa de cursoslatu sensude ensino a distância como fator avaliativo da capacidade absortiva. O SkandiaNavigator se baseia no conceito de capital intelectual para articular recursos, capacidades e competências organizacionais, assim foi utilizado para mensurar a capacidade absortiva da IES no tocante ao curso lato sensu Ead.O SkandiaNavigator consiste em trinta indicadores divididos em sete áreas, sendo o foco financeiro referente aos resultados ocorridos e os focos nos clientes, nos recursos humanos e nos processos voltados ao que ocorre no momento na empresa. Os focos restantessão referentes à capacidade de renovação e de desenvolvimento da organização que permitiriam vislumbrar o futuro da empresa.Utilizou-se drivers de mudança institucional no SkandiaNavigator como forma de mensurar a capacidade absortiva da IES no tocante ao latu sensu de ensino a distância. Ao mensurar nas áreas: financeiras; cliente; processos internos; renovação e desenvolvimento; humanos;capital intelectual; e eficiência do capital intelectual, procurou-se verificar a capacidade da IES para aprender e implementar de novos conhecimentos. Como resultado da pesquisa se considera adequado o uso do SkandiaNavigator é uma ferramenta que pode auxiliar na mensuração da capacidade absortiva da instituição.

 


Keywords


SkandiaNavigator; Capacidade Absortiva; Indicadores de Desempenho.

References


Batista, M. A. et al (2013). Avaliação institucional no ensino superior: construção de escalas para discentes e docentes. Avaliação (Campinas), 18.

Capron, L. & Mitchell, W. (2008). Selection capability: how capability gaps and internal social frictions affect internal and external strategic renewal. Organization Science, 19, 1–19.

Cohen, W. M. & Levinthal, D. A (1990). Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation. Administrative Science Quarterly, 35, 128-152.

Crispim, S. & Lugoboni, L. (2012). Avaliação de desempenho organizacional: Análise comparativa dos modelos teóricos e pesquisa de aplicação nas Instituições de Ensino Superior da Região Metropolitana de São Paulo. Rev. Portuguesa e Brasileira de Gestão, 11.

Edvinsson, L & Malone, M. S (1998). Capital intelectual. São Paulo: Makron Books.

Frederico, G. F. & Martins, R. A. (2012). Modelo para alinhamento entre a maturidade dos sistemas de medição de desempenho e a maturidade da gestão da cadeia de suprimentos. Gest. Prod., 19.

Flatten, T. C., et al. (2011). A measure of absorptive capacity: Scale development and validation. European Management Journal, 29, 98– 116.

Fosfuri, A. & Tribó, J. A (2008). Exploring the antecedents of potential absorptive capacity and its impact on innovation performance. Omega, 36,173-187.

Gray, C. (2006). Absorptive capacity, knowledge management and innovation in entrepreneurial small firms.International Journal of Entrepreneurial Behaviour& Research, 12, 345-360.

Hourneaux Junior, F (2005). Avaliação de desempenho organizacional: estudo de casos em empresas do setor químico. Dissertação de mestrado em Administração, USP, São Paulo.

Jansen, J.J.P. & Van Den Bosch, F.A.J. & Volberda, H.W. (2005) Managing potential and realized absorptive capacity: How do organizational antecedents matter?, Academy of Management Journal, 48, 999-1015.

Kor, Y. Y. & Mesko, A. (2013). Dynamic managerial capabilities: configuration and orchestration of top executives’ capabilities and the firm’s dominant logic. Strategic Management Journal, 34, 233–244.

Lane, P. J. & Koka, B. R. & Pathak, S. (2002). The reification of absorptive capacity: a criticalreview and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, 31, 833-863.

Lehfeld, N. A. de S., et al (2010). Reflexões sobre o processo de autoavaliação institucional: o olhar de uma comissão própria de avaliação. Avaliação (Campinas), 15.

Lichtenthaler, U. (2009). Absorptive capacity, environmental turbulence, and the complementarity of organizational learning processes. Academyof Management Journal, 52, 822–846.

Lichtenthaler, U. & Lichtenthaler, E. (2009) .Capability-Based Framework for Open Innovation. Journalof Management Studies, 46.

Lima, C. R. M. & Soares, T. C. & Lima, M. A. (2012). Utilização do BalancedScorecard em Instituições de Ensino Superior. RIC - Revista de Informação Contábil. 6, 1-13.

Lima, M. A. & Soares, T. C. & Lima, M. V. A. & Lima, C. R. M. (2013). Autoavaliação de instituições de educação superior: Exame de dificuldades organizacionais e gerenciais. REID, 10, 21-42.

Lima, A. & Carmona, C. (2011). Determinantes da formação do capital intelectual nas empresas produtoras de tecnologia da informação e comunicação. Revista de Administração Mackenzie, 12, 112-138.

Maba, E. G. & Marinho, S.V. (2012). A autoavaliação institucional no processo de tomada de decisão em IES: estudo de caso das Faculdades SENAC/SC. Avaliação (Campinas), 17.

Malavski, O. S. & Lima, E. P. & Costa, S. E. G. (2010). Modelo para a mensuração do capital intelectual: uma abordagem fundamentada em recursos. Prod. 20, 439-454.

Meyer Jr. V. & Meyer, B. (2004). Planejamento estratégico nas instituições de ensino superior: técnica ou arte? In:IV Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 8-10.

Murovec, N. & Prodan, I. (2009). Absorptive capacity, its determinants, and influence on innovation output: Cross-cultural validation of the structural model. Technovation, 17.

Nascimento, S. et al. (2011). Mapeamento dos indicadores de desempenho organizacional em pesquisas da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo no período de 2000 a 2008. Rev. Adm. (São Paulo), 46, 373-391.

Ng, D. W. (2007). A Modern Resource Based Approach to Unrelated Diversification. Journal of Management Studies, 44.

Rothaermel, F. T. & Alexandre, M. T. (2009). Ambidexterity in Technology Sourcing. Organization Science, 20, 759–780.

Samia, A., et al (2012).Comparative study, based on metamodels, of methods for controlling performance. IJCSI International Journal of Computer Science Issues, 9.

Soares, T. C., et al (2012). Modelo de planejamento e controle gerencial para educação a distância. R. Adm. FACES Journal, 11, 158-174.

Teece, D. J. & Pisano, G. & Shuen, A. (1997) Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal, 509-533.

Vargas, V. do C. C. de & Selig, P. M. & Andrade, D. F. De & Ribeiro, J. L. D. (2008). Avaliação dos intangíveis: uma aplicação em capital humano. Gest. Prod., 15.

Versiani, Â. F., et al. (2010) Mensuração da Capacidade Absortiva: até que ponto a literatura avançou? XXXIV Enanpad, Rio de Janeiro.

Viedma Marti J. M. (2007). In Search of an Intellectual Capital Comprehensive Theory. The Electronic Journal of Knowledge Management, 5, 245 - 2567.

Von Krogh & Ichijo & Nonaka. (2001) Facilitando a criação do conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Rio de Janeiro: Campus.

Wang, C. L. & Ahmed, P. K. (2007). Dynamic capabilities: A review and research. International Journal of Management Reviews, Oxford, 9, p. 31-51.

Wegner D. & Maehler, A. E. (2012). Desempenho de empresas participantes de rede interorganizacionais: analisando a influência do capital social e da capacidade absortiva. Revista Gestão e Planejamento, 13, 191-211.

Zahra, S.A. & George, G. (2002). Absorptive Capacity: A Review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27, 185-203.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional