Formalização da Estratégia em Empresas Nascentes de Base Tecnológica: Recursos Alternativos na Fragilidade do Novo

Artur Tavares Vilas Boas Ribeiro, Renata Malagoli Rocha, Patricia Viveiros de Castro Krakauer, Marcelo Caldeira Pedroso

Abstract


O presente artigo busca investigar as potencialidades da utilização de métodos alternativos no suporte à definição, formalização, execução e acompanhamento das estratégias de uma empresa nascente de base tecnológica. Em um contexto de fragilidade do novo, com limitações de recursos e de infraestrutura, o processo de ganho de escala de startups pode ser dificultado por pontos como inexperiência gerencial, discrepância competitiva e fragilidade frente a instabilidades do mercado. Sob essa conjuntura, a busca por suporte para a estratégia do negócio em sua escalabilidade se mostra vital, porém, ainda tido como distante devido aos custos envolvidos à aquisição deste tipo de apoio se mostrarem impeditivos para empresas nascentes. O estudo propôs a realização de uma intervenção baseada na absorção de conhecimentos por meio de um Massive Online Open Course, mecanismo alternativo para superar os desafios acima apresentados. Deste modo, a investigação, cujo método se estruturou na pesquisa-ação, se atentou na identificação de resultados gerados por esse modelo alternativo de suporte. A revisão teórica perpassou pelos tópicos: (i) o papel da estratégia em empresas de base tecnológica, (ii) empreendedorismo tecnológico e a fragilidade do novo e (iii) plataformas abertas de educação como elemento de capacitação em estratégia. Os resultados, além de levantamentos colhidos em um grupo focal para identificação dos principais ganhos, se mostraram em relativo médio prazo, com a empresa demonstrando resultados gerenciais relevantes.

 


Keywords


Estratégia; Startups; Massive Online Open Course.

References


Andrade, R. F. & Torkomian, A. L. V. (2001). Fatores de influência na estruturação de programas de educação empreendedora em instituições de ensino superior. Artigo apresentado no II EGEPE, Londrina, Brasil.

Breslow, L., Pritchard, D. E., DeBoer, J., Stump, G. S., & Seaton, D. T. (2013). Studying learning in the worldwide classroom: Research into edX's first MOOC. Research & Practice in Assessment, 8:13-25.

Chorev, S. & Anderson, A. R. (2006). Marketing in high-tech start-ups: Overcoming the liability of newness in Israel. International Entrepreneurship and Management Journal, 2(2):281-297.

Chwolka, A. & Raith, M. G. (2012). The value of business planning before start-up - A decision-theoretical perspective. Journal of Business Venturing, 27: 385-399.

Clarysse, B., Bruneel, J. & Wright, M. (2011). Explaining Growth Paths of Young Technology-Based Firms: Structuring Resource Portfolios in Different Competitive Environments. Strategic Entrepreneurship Journal, 5: 137-157.

Deeds, D. L. & Rothaermel, F. T. (2003). Honeymoons and liabilities: The relationship between age and performance in research and development alliances. The Journal of Product Innovation Management, 20:468-484.

Dodson, M. N. & Kitburi, K. (2015). Possibilities for MOOCs in corporate training and development. Performance Improvement, 54(10): 14-21.

Freeman, J., Carroll, G. R. & Hannan, M. T. (1983). The liability of newness: Age dependence in organizational death rates. American Sociological Review, 48(5):692-710.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber.

Giovinazzo, R. A. (2001). Focus group em pesquisa qualitativa - fundamentos e reflexões. Administração On Line, 2(4), out-nov-dez. Disponível em . Acesso em 27/06/2016.

Hager, M. A., Galaskiewicz, J. & Larson, J. A. (2004). Structural embeddedness and the liability of newness among nonprofit organizations. Public Management Review, 6(2):159-188.

Hax, A. C. & Majluf, N. S. (1999). Estrategias para el liderazgo competitivo. Barcelona: Granica.

Hew, K. F. & Cheung, W. S. (2014). Students’ and instructors’ use of massive open online courses (MOOCs): Motivations and challenges. Educational Research Review, 12:45–58.

Kabongo, J. D. & Mccaskey, P. H. (2011). An examination of entrepreneurship educators’ profiles in business programs in the United States. Journal of Small Business and Entreprise Development, 18(1):27-42.

Kasabov, E. (2013). Start-Up Difficulties in Early-Stage Peripheral Clusters: The Case of IT in an Emerging Economy. Entrepreneurship Theory and Pratice, 39(4): 727-761.

Mello, C. H. P., Turrioni, J. B., Xavier, A. F. & Campos, D. F. (2012). Pesquisa-ação na engenharia de produção: proposta de estruturação para sua condução. Revista Produção, 22:1-13.

Mizumoto, F. M., Artes, R., Lazzarini, S. G., Hashimoto, M. & Bedê, M. A. (2010). A sobrevivência de empresas nascentes no estado de São Paulo: um estudo sobre capital humano, capital social e práticas gerenciais. Revista de Administração da USP, 45 (4): 343-355.

Oliveira, M. & Freitas, H. (1998). Focus group, pesquisa qualitativa: resgatando a teoria, instrumentalizando o seu planejamento. Revista de Administração, 33(3):83-91.

Pinho, M., Côrtes, M. R. & Fernandes, A. C. (2002). A fragilidade das empresas de base tecnológica em economias periféricas: uma interpretação baseada na experiência brasileira. Ensaios Fee, Porto Alegre, 23(1):135-162.

Radford, A. W., Coningham, B. e Horn, L. (2015). MOOCs: Not Just for College Students - How Organizations Can Use MOOCs for Professional Development. Employment Relations Today, 41(4): 1-15.

Rodriguez, C. O. (2012). MOOCs and the AI-Stanford like Courses: Two Successful and Distinct Course Formats for Massive Open Online Courses. European Journal of Open, Distance and E-Learning. Disponível em:

http://www.eurodl.org/index.php?p=archives&year=2013&halfyear=2&article=516 Acesso em: 15/06/2016.

Rezende, D. A. (2003). Metodologia para projeto de planejamento estratégico de informações alinhado ao planejamento estratégico: a experiência do Senac-PR. Ciência da Informação, 32(3):146-155.

Santos, G. T. & Fogliatto, F. S. (2002). Grupos focalizados: uma proposta de roteiro para identificação de atributos de preferência. Artigo apresentado no XXII ENEGEP, Curitiba, Brasil.

Solomon, G. (2007). An examination of entrepreneurship education in the United States. Journal of Small Business and Enterprise Development, 14(2):168-182.

Stinchcombe, A. L. (1965). Social structure and organizations. In: March, J. G. Handbook of Organizations, 153-193.

Soares, M., Paton, C., dos Santos, A. F., & Bezerra, F. A. (2009). Uma discussão sobre a viabilidade da pesquisa-ação na contabilidade. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(7):109-126.

Suddaby, R. & Greenwood, R. (2001). Colonizing knowledge: commodification as a dynamic of jurisdictional expansion in professional service firms. Human Relations, 54 (7):933-953.

Sutton, R. I. & Rao, H. (2014). Scaling up excellence: getting to more without settling for less. New York: Crown Business.

Thiollent, M. (2008). Metodologia da pesquisa-ação. 18a. ed. São Paulo: Cortez.

Venkataraman, S., Van de Ven, A., Buckeye, J. & Hudson, R. (1990). Starting up in a turbulent environment: a process model of failure among firms with high customer dependence. Journal of Business Venturing, 5(5):277-295.

Yuan, L. & Powell, S. (2013). MOOCs and open education: implications for higher education. JISC CETIS White Paper. Disponível em: http://publications.cetis.org.uk/2013/667 Acesso em: 15/06/2016.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional