O Papel da Gerência Intermediária na Formação da Estratégia

Daniella Macedo Venâncio, Rosalia Barbosa Lavarda, Gabriela Gonçalves Silveira Fiates

Abstract


A literatura sobre a formação de estratégia é democrática, já que várias formas são reconhecidas e aceitas (Mintzberg, Ahlstrand & Lampel, 2009). Os estudos qualitativos ajudam a compreender o que motiva um ou outro modo de formação de estratégia. Assim, essa pesquisa teve como objetivo analisar o processo de formação estratégica e o papel do nível gerencial, nesse processo. Seguiu-se a metodologia qualitativa, com o método de estudo de caso. As técnicas de coleta de dados foram entrevista semiestruturada, observação direta e análise de documentos. O caso em foco trata-se de um salão de beleza de médio porte da cidade de Florianópolis/SC. Dentre os principais resultados, aponta-se que as estratégias são formadas de forma integradora (deliberada e emergente), o que caracteriza o estilo middle-up-down (Nonaka, 1988), identificou-se ainda, de acordo com o framework integrativo de Hart (1992), três modos que evidenciam a formação da estratégia integradora: o comando, no qual a estratégia dirigida pelo líder ou por uma pequena equipe do topo; o transacional, em que por vezes o gestor e os membros da equipe trabalham juntos na formação da estratégia, dirigidos por processos internos e em comum acordo; e o genérico, sendo que, neste caso, a estratégia é dirigida pela ação dos membros da equipe e o gestor apenas apoia a decisão. Quanto aos papéis dos gerentes, verificou-se que a gerente administrativa atua de forma a sintetizar para os gestores de topo as informações coletadas com os colaboradores de nível operacional, e a gerente financeira atua como implementadora da estratégia deliberada.

 


Keywords


Processo de Formação da Estratégia; Nível Gerencial; Setor da Beleza.

References


Angonese, R., Lavarda, R. A. B. & Lavarda, C. E. F. (2013) O processo de implementação da estratégia: um estudo segundo os modelos de Hart (1992). Revista Gestão & Tecnologia, 13(1), 51-77.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS (2014). Panorama do Setor. São Paulo, 13, 2014-2015.

Barney, J. B. & Hesterly, W. S. (2007). Administração Estratégica e Vantagem Competitiva. Tradução Monica Rosemberg. Revisão técnica Pedro Zanni. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chandler, A. (1962). Strategy and structure. Cambrige: MIT Press.

Bispo, S. M.; Godoy, A. S. (2014). ETNOMETODOLOGIA: UMA PROPOSTA PARA PESQUISA EM ESTUDOS ORGANIZACIONAIS. DOI: 10.15600/1679-5350/rau. v12n2p108-135. Revista de Administração da Unimep-Unimep Business Journal, 12(2), 108-135.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. The Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Fitzsimmons, J. A.; Fitzsimmons, M. J. (2010). Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. 6. ed. Porto Alegre: Bookman.

Floyd, S. W.; Wooldridge, B. (1992). Middle Management Involvement in Strategy and Its Association with Strategic Type: A Research Note. Strategic Management Journal, Chichester, 13, Special Issue, 153-167.

Franzon, F., Oliveira, D. & Lavarda, R. A. B. (2012). Atuação do gerente intermediário no processo de formulação e implantação da estratégia: um estudo de caso. Revista Brasileira de Administração Científica, 3(3),128-146.

Gallas, J. C., Cancellier, E. L. P. L., Rossetto, C. R. & Vargas, S. M. L. (2015). Comportamento Estratégico no Setor de Beleza e Estética Baseado na Tipologia de Miles e Snow. VII Encontro de estudos em estratégia. Brasília.

Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R. & Silva, A. B. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Hart, S. (1992). An integrative framework for strategy-making processes. Academy of Management Review, 17(2), 327-351.

Hart, S. & Banbury, C. (1994). How strategy making processes can make a difference. Strategic Management Journal, 15(4), 251-269.

Kerlinger, F. N. (1979) Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU/EDUSP.

Luz, C. L. M., Gobbo, G. & Lavarda, R. B. A Participação do Gerente de Nível Intermediário no Processo de Implementação da Estratégia Considerando os Estudos de Floyd & Wooldridge (1992). Revista Iberoamericana de Estratégia, 12(4), 123-149, 2013.

Mantere, S. (2008) Role Expectations and Middle Manager Strategic Agency. Journal of Management Studies, 45(2), 294-316.

Martins, G. T. & Lavarda, R. B. (2013) Modelo integrador de formação da estratégia: um estudo de caso. Revista Organizações em Contexto, 9(17) 125-153.

Martins, C., Venâncio, D. M., Fiates, G. G. S., Roman, D. J. & Erdmann, R. H. (2014). Gestão de serviços em salões de beleza: do diagnóstico à melhoria de qualidade. Revista GEPROS, 9(3), 79-93.

Miles, R. E. & Snow, C. C. (1978). Organizational Strategy, Structure and Process. New York: McGraw Hill.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B. & Lampel, J. (2009). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H. & Waters, J. A. (1985). Of Strategies Deliberate and Emergent. Strategic Management Journal, 6(3), 257-272.

Nogueira, B. L. A., Souza, V. A. & Nunes, J. H. (2009). Consumo e Apresentação do Self nos Salões: Análise Sociológica dos Serviços de Beleza e Higiene. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 14, 2009, Rio de Janeiro. Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia - Categoria sociólogos do futuro, 14. ed.. Rio de Janeiro, Brasil.

Nonaka, I. (1988). Toward middle-up-down management: Accelerating information creation. Sloan Management Review, 29(3), 9-18.

Ribeiro, J. L. D., Thiesen, J. P. K. & Tinoco, M. A. C. (2013). Determinantes da satisfação e atributos da qualidade em serviços de salão de beleza. Produção Porto Alegre, 23(3), 609-624.

Santos, S. (2006). Nuestra América: reinventar um paradigma subalterno do reconhecimento e redistribuição. In: ______. A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 191-225.

Trochim, W. M. K. (1989). Outcome Pattern Matching and Program Theory. Evolution and Program Planning. 12(4), 355-66.

Vargo, S. L. & Lusch, R. F. (2004). Evolving to a New Dominant Logic for Marketing. Journal of Marketing, 68, 1-17.

Venâncio, D. M., Dutra, A., Fiates, G. G. S. & Feuerschütte, S. G. (2015). Comprometimento organizacional: confrontando o comprometimento afetivo e o instrumental entre trabalhadores autônomos e efetivos de salões de beleza. Holos, 2(2) 169-182.

Whittington, R. (2007). Strategy practice and strategy process: family differences and the sociological eye. Organization studies, 28(10), 1575-86.

Zeithaml, V. A. & Bitner, M. J. (2003). Marketing de Serviços: a Empresa com Foco no Cliente. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional