Capital Intelectual e o Sistema de Controles Gerenciais das Instituições Públicas de Ensino Superior: Um Ensaio Teórico sob a Perspectiva da Teoria da Contingência

Thiago Cesar Bezerra Moreno, José Luiz Borsatto Junior, Delci Grapégia Dal Vesco, Silvana Anita Walter

Abstract


O contexto econômico evoluiu para a era do conhecimento. Nesse sentido, os recursos relacionados ao capital intelectual ganham destaque como um determinante para lidar com as variáveis contingenciais. O fator que impulsiona o capital intelectual é o capital humano, recurso intensivo em instituições públicas de ensino superior, fato que justifica o presente estudo, com o objetivo de discutir a influência do capital intelectual nos sistemas de controle de gestão de universidades públicas, sob a perspectiva do capital intelectual como fator contingencial. Realizou-se pesquisa bibliográfica, a fim de atingir o objetivo proposto. Percebe-se falta de desenvolvimento da literatura relacionada ao tema, um cuidado ainda incipiente, com o capital humano nas instituições públicas de ensino superior.

 


Keywords


Capital Intelectual; Controle Gerencial; Instituições de Ensino Superior Públicas; Setor Público.

References


Bertero, C. O. (2011). Réplica 2 – o que é um ensaio teórico? Réplica a Francis Kanashiro Meneghetti. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 338-342.

Beuren, I., & Macohon, E. (2011). Institucionalização de hábitos e rotinas na contabilidade gerencial à luz da teoria da contingência: Um estudo em indústrias de móveis em São Bento do Sul. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 10(1-2), 78-91.

Bontis, N. (1998). Intellectual capital: an exploratory study that develops measures and models. Management decision, 36(2), 63-76.

Bonacim, C. A., & Araujo, A. M. D. (2010). Influência do capital intelectual na avaliação de desempenho aplicada ao setor hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(supl 1), 1249-1261.

Bushfield, S. Ref 11.01 The Relationship between Human Capital and Enterprising’Public Services: A Critical Review of the Literature and Proposals for Further Research.

Calix, C. G., Vigier, H. P., & Briozzo, A. E. (2015) Capital intelectual y otros determinantes de la ventaja competitiva en empresas exportadoras de la zona norte de Honduras, Suma de Negocios, v.6, n.14, July–December 2015, p.130-137, ISSN 2215-910X, http://dx.doi.org/10.1016/j.sumneg.2015.10.005

Camacho, R. R. (2010). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais na cadeia de valor de hospitais privados no Brasil: uma abordagem à luz da Teoria da Contingência. 2010. 156 f. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Disponível: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-22012011-164307/en.php.

Córcoles, Y. R. & Ponce, Á. T. Cost–benefit analysis of intellectual capital disclosure: University stakeholders’ view. Revista de Contabilidad - Spanish Accounting Review (RC-SAR), v.16, n.2, June–December 2013, p.106-117, ISSN 1138-4891, http://dx.doi.org/10.1016/j.rcsar.2013.07.001.

CGU. Controladoria-Geral da União, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 outubro 2015.

Chandler, A. D. (1990). Strategy and structure: Chapters in the history of the industrial enterprise. MIT, Massachusetts: MIT press.

Dierickx, I., & Cool, K. (1989). Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage. Management science, 35(12), 1504-1511

Drucker, P. F. (1993). Gestão para o Futuro. London: Routledge.

Fagundes, J. A., Soler, C. C., Feliu, V. R., & Lavarda, C. E. F. (2010). Proposta de pesquisa em contabilidade: considerações sobre a teoria da contingência. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 13(2), 1-13.

García-Ayuso, M. (2003). Intangibles: Lessons from the past and a look into the future. Journal of intellectual capital, 4(4), 597-604.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., & Rezende, A. J. (2008). Em busca do entendimento da formação dos hábitos e das rotinas da contabilidade gerencial: um estudo de caso. Revista de administração Mackenzie, 7(2), 78-101.

Hayes, S. C. (1976). The role of approach contingencies in phobic behavior. Behavior Therapy, Volume 7, Issue 1, January 1976, Pages 28-36, ISSN 0005-7894, http://dx.doi.org/10.1016/S0005-7894(76)80216-X.

Hayes, D. C. (1977). The contingency theory of managerial accounting. Accounting review, 22-39.

Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência. 2010. 156 f. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Disponível: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-10052010-143511/en.php

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (2004). Strategy maps: Converting intangible assets into tangible outcomes. Harvard Business Press.

Leitner, K. H. (2004). Intellectual capital reporting for universities: conceptual background and application for Austrian universities. Journal Research Evaluation, v. 13, n.2, p. 129-140 doi= 10.3152/147154404781776464.

Marques, K. C. M. (2012). Custeio alvo à luz da teoria da contingência e da nova sociologia institucional: estudo de caso sobre sua adoção, implementação e uso. 2012. 1289 f. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Disponível: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-29012013-190708/en.php

Meneghetti, F. K. (2011). What is a theoretical essay?. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332.

Moore, M. H. (2003). The public value scorecard: a rejoinder and an alternative to'strategic performance measurement and management in non-profit organizations' by Robert Kaplan. Hauser Center for Nonprofit Organizations Working Paper, (18).

Nelson, R. R., & Winter, S. G. (2009). An evolutionary theory of economic change. Harvard University Press.

Otley, D. (2016). The contingency theory of management accounting and control: 1980–2014, Management Accounting Research, Volume 31, June 2016, p. 45-62, ISSN 1044-5005, http://dx.doi.org/10.1016/j.mar.2016.02.001.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2009). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, Ilse M. (ed.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática, pp. 76-97 São Paulo: Atlas.

Stefano, N. M., Casarotto Filho, N., Freitas, M. D. C. D., & Martinez, M. A. T. (2014). Gestão de ativos intangíveis: implicações e relações da gestão do conhecimento e capital intelectual. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(1), 22-37.

Stoker, G. (2006). Public value management a new narrative for networked governance?. The American review of public administration, 36(1), 41-57.

Subramaniam, M., & Youndt, M. A. (2005). The influence of intellectual capital on the types of innovative capabilities. Academy of Management Journal, 48(3), 450-463.

Romero, F. T. (2016). Información de los recursos intangibles ocultos: ¿memorias de sostenibilidad o informe anual?, European Research on Management and Business Economics, Volume 22, Issue 2, May–August 2016, Pages 101-109, ISSN 2444-8834, http://dx.doi.org/10.1016/j.iedee.2015.06.001.

TCU. Tribunal de Contas da União, 2015. Disponivel em: . Acesso em: 15 outubro 2015.

Waterhouse, J. H., & Tiessen, P. (1978). A contingency framework for management accounting systems research. Accounting, Organizations and Society, 3(1), 65-76.

Widener, S. K. (2004). An empirical investigation of the relation between the use of strategic human capital and the design of the management control system. Accounting, Organizations and Society, 29(3), 377-399.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional