Práticas Estratégicas de Orçamentação e Faturamento na Administração Pública: Um Estudo de Caso na Marinha do Brasil

Denise de Almeida Pereira, Fernanda Filgueiras Sauerbronn, Ana Carolina Pimentel Duarte da Fonseca, Marcelo Alvaro da Silva Macedo

Abstract


Nas organizações públicas da administração direta a disponibilidade de recursos financeiros é baseada nos recursos orçamentários a elas destinados anualmente; o processo para utilização dos recursos é definido em legislação e pode ser moroso; e os recursos financeiros não utilizados em um exercício social não são alocados ao exercício subsequente, prejudicando o processo de planejamento de longo prazo. Esse contexto de restrições à ação torna-se particularmente complexo para organizações que atuam na área de Ciência, Tecnologia & Inovação, a exemplo do CASNAV, que pertence à estrutura organizacional da MB e desenvolve projetos de duração continuada, normalmente executados conforme disponibilidade de recursos, principalmente, financeiros. Assim, o objetivo da pesquisa foi analisar como são formadas as práticas estratégicas de orçamentação e faturamento do CASNAV, de forma a lidar com as restrições e regras da administração pública, segundo a percepção dos praticantes envolvidos no processo. Este estudo baseou-se na perspectiva de estratégia como prática social e foi focado no modelo de Whittington (2006). O estudo de caso único teve uma natureza descritiva e a coleta dos dados foi feita mediante entrevistas, observação e análise de documentos e os dados foram tratados pela técnica de análise de conteúdo. Dentre os principais resultados, destaca-se que: (a) a formação das práticas estratégicas está diretamente ligada ao processo de interação com os clientes (b) a flexibilidade para lidar com as restrições orçamentárias ou financeiras está em grande parte relacionada às necessidades dos clientes; e (c) a prática de orçamentação e faturamento é viabilizada, principalmente, pela formalização das atribuições dos praticantes envolvidos no processo, pela proatividade e interação com os clientes e pelas competências gerenciais desenvolvidas internamente.

Keywords


Contabilidade; Gestão Pública; Prática Estratégica; Orçamentação; Faturamento.

References


ANDREWS, C. W.; BARIANI, E. (Orgs.). Administração pública no Brasil: breve história política. SP: Unifesp, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARZELAY, Michael. The Single Case Study as Intellectually Ambitious Inquiry. Journal of Public Administration Research and Theory: J-PART, v.3, n. 3, p. 305-318, jul.1993.

BAXTER, J.; CHUA, W. F. Alternative management accounting research — whence and whither. Accounting. Organizations and Society, v.28, pp. 97–126, 2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRESSER- PEREIRA, Luiz Carlos. A reforma gerencial do Estado de 1995. RAP. Rio de Janeiro, v. 34, n.4, p.7-26, jul./ago. 2000.

BRYSON, J. M.; BERRY, F. S.; YANG, K. The State of Public Strategic Management Research: A Selective Literature Review and Set of Future Directions. The American Review of Public Administration, V. 40, N. 5, P. 495-521, 2010.

CAVALCANTE, Pedro L. C. Avaliação dos Programas do PPA: estudo de caso da implantação do orçamento por desempenho. Revista Gestão e Planejamento, v. 13, n. 3, p. 232-246, 2012.

CENTRO DE ANÁLISES DE SISTEMAS NAVAIS. Relatório de Gestão do CASNAV. Rio de Janeiro, 2012

CLEGG, S.; COURPARSSON, D.; PHILLIPS, N. Power and Organizations. Londres: Sage, 2006.

CUGANESAN, Suresh; DUNFORD, Richard; PALMER, Ian. Strategic management accounting and strategy practices within a public sector agency. Management Accounting Research, v. 23, n. 4, p. 245-260, 2012.

DRUMOND, A. M.; SILVEIRA, S. F. R.; SILVA, E. A. Predominância ou coexistência? Modelos de administração pública brasileira na Política Nacional de Habitação. Rev. Adm. Pública, v. 48, n. 1, p. 3-25, 2014.

GUARIDO FILHO, E. R.; COSTA, M. C. Contabilidade e Institucionalismo Organizacional: Fundamentos e Implicações para a Pesquisa. Revista de Contabilidade e Controladoria, v. 4, n.1, p 20-41, 2012.

GUERREIRO, R.; FREZATTI, F.; CASADO, T. Em busca de um melhor entendimento da contabilidade gerencial através da integração de conceitos da psicologia, cultura organizacional e teoria institucional. R.Cont.Fin. USP, São Paulo. p.7-21, set. 2006.

JARZABKOWSKI, P. Shaping Strategy as a Structuration Process. Academy of Management Journal, v. 51, n. 4, p. 621–650, 2008.

JARZABKOWSKI, P. Strategy as Practice: Recursiveness, Adaptation, and Practices-in-Use. Organization Studies, v. 25, n.4, p. 529–560, 2004.

LOUNSBURRY, M. Institutional rationality and practice variation: New directions in the institutional analysis of practice. Accounting, Organizations and Society, v. 33, n. 4-5, p. 349-361, 2008.

MANTERE, S.. Role expectations and middle manager strategic agency. Journal of Management Studies, v. 45, n. 2, p. 294-316, mar. 2008.

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E DA REFORMA DO ESTADO. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado, Brasília, 1995. Disponível em: Acesso em: 24 de setembro de 2013.

MARINHA DO BRASIL. Secretaria Geral da Marinha. SGM-304 - Normas sobre Contabilidade das Organizações Militares Prestadoras de Serviços (OMPS). Brasília, DF, 2008.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Plano plurianual 2012-2015: projeto de lei, Brasília: MP, 2011. 278 p.

MINTZBERG, Henry. Managing Government, Governing Management. Harvard Business Review, p. 75-83, maio/jun.1996.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G.. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2.ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MOTA, Francisco G.L.; Contabilidade aplicada à administração pública. 5.ed. Brasília, DF: VESTCON, 2001.

MOTTA, P. R. M. O Estado da Arte da Gestão Pública. RAE, v. 53, n. 1, pp. 82-90, 2013.

ROCHA NETO, Luiz Henrique da. A formação do Estado brasileiro: Patrimonialismo, Burocracia e Corrupção. Revista do Mestrado em Direito UCB, v. 2, n. 1, P. 204-230, 2008.

MATIAS-PEREIRA, J.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão de inovação: a Lei de Inovação Tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE-eletrônica, v. 4, n. 2, art. 18, jul./dez. 2005.

POISTER, T. H. The Future of Strategic Planning in the Public Sector: Linking Strategic Management and Performance. Public Administration Review, Special Issue, p. 246-254, 2010.

PRESTES MOTTA, F.C.; VASCONCELOS, I.F.G. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

GUERREIRO RAMOS, A. A Nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1981.

RYAN, B.; SCAPENS, R. W.;THEOBALD, M. Research Method and Methodology in Finance and Accounting. London: Wouth Wester: Cengage Learning, 2002.

SANTOS, M. F. B.; FONSECA, A. C. P. D.; SAUERBRONN, F. F. Cultura Organizacional e Avanço do Management na Marinha do Brasil. Cad. EBAPE.BR, v. 12, no 1, p.131–162, 2014.

SECCHI, Leonardo. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-369, 2009.

SMITH, M. Research methods in accounting. London: SAGE Publications, 2011.

STAKE, R. E.. Strategies of qualitative inquiry. Handbook of Qualitative Research, Londres: Sage, p. 86-109, 2005.

VALADARES, J. L.; EMMENDOERFER, M. L. Cargos de Livre Nomeação: Reflexões com Base no Empreendedor Público em um Estado-Membro do Brasil. RAC, v. 16, n. 5, pp. 723-743, 2012.

VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; ZOUAIN, Deborah Moraes (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2007, pp.13-28.

WALTER, Silvana; AUGUSTO, Paulo. O caleidoscópio da estratégia. O papel das consultorias externas no strategizing de uma organização. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão. p. 102-111, 2011.

WALTER, Silvana A.; AUGUSTO, Paulo O. M.; FONSECA, Valéria Silva da. O Campo Organizacional e a Adoção de Práticas Estratégicas: Revisitando o Modelo de Whittington. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, nº 2, p. 282-298, 2011.

WHITTINGTON, R.. Completing the Practice Turn in Strategy Research. Organization Studies, London, vol. 27, n. 5, p. 613-634, 2006.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional