Gestão da Informação e do Conhecimento em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento – Um Estudo de Caso

Maria Terezinha Angeloni, Rafael Zimmermann Homma, Luiz Afonso Pereira Athayde Filho, Aldo Cosentino

Abstract


Este artigo tem por objetivo apresentar o Plano de Gestão da Informação e do Conhecimento, que visa a apoiar os processos de criação, aquisição, compartilhamento, armazenamento, (re)utilização, proteção e transferência das informações e conhecimentos, proposto para um Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para a empresa patrocinadora / cliente - Celesc Distribuição, empresa do setor elétrico de Santa Catarina e executado pelo Instituto de Estudos e Gestão Energética – INERGE. O projeto insere-se no programa de P&D da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, em conformidade com a lei no 9.991/2000 e alterações posteriores. O referencial teórico baseia-se nas áreas da Gestão de Projetos e Gestão do Conhecimento. Metodologicamente caracteriza-se como uma pesquisa de desenvolvimento experimental, intraprojeto e interorganizacional. Os resultados ainda não são efetivos em razão do pouco tempo de implantação do projeto, contudo pode-se inferir que a sistematização das informações e conhecimentos em um único ambiente, além de dar suporte ao desenvolvimento das atividades das equipes do projeto, apoiará os processos de gestão da informação e do conhecimento e, essencialmente, a transferência das informações e dos conhecimentos da empresa executora para a empresa patrocinadora / cliente.


Keywords


gestão do conhecimento; gestão de projetos; gestão do conhecimento em projetos.

References


ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica (Brasil) (2012) - Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica. Agência Nacional de Energia Elétrica. Brasília: ANEEL. Recuperado em 03 set. 2015 de: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/leitura_arquivo/default.cfm?idaplicacao=56.

Blog edutrevizan. Recuperado em 16 ago. 2015 de: https://edutrevizan.wordpress.com/2013/09/25/10-softwares-interessantes-para-gestao-de-projetos/.

Carneval, P. P. O., Nascimento, W. R., & Pereira, Y. A. H. (2005). Gestão do conhecimento aplicada ao gerenciamento de projetos. Trabalho de Conclusão de Curso para a obtenção de Grau de Especialista em Gerenciamento de Projetos. MBA em Gerenciamento de Projetos. Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Choo, C. W. (2006). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar conhecimento, construir conhecimento e tomar decisões (2. ed.). São Paulo, Senac São Paulo.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998) Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro, Campus.

Dhaliwal, J., & Benbasat, I. (1996). The use and effects of knowledge-based system explanations: theoretical foundations and a framework for empirical evaluation. Information Systems Research, 7, pp. 243-361.

George, J. F., Iacono, S., & Kling, R. (1995). Learning in context: extensively computerized work groups as communities of practice. Accounting, Management and Information Techgnologies, 5, pp.185-202.

Faraco, R. A., Mussi, C. C., Angeloni, M.T. (2014). Social Networks and Knowledge Transfer in Technological Park Companies in Brazil. Journal of Technology Management & Innovation, v. 9, p. 172-186.

Jamil, G. L. (2005). Gestão de informação e do conhecimento em empresas brasileiras: estudo de múltiplos casos. Tese. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais.

BRASIL. Lei 11.196/05 – Lei do Bem, de 21 de novembro de 2005. Trata da concessão de incentivos fiscais às pessoas jurídicas. Recuperado em 17 nov. 2014 de:

Malhotra, Y. (1993). Role of information technology in managing organizational change and organizational interdependence. New York, NY, Global Risk Management Network, LLC Available at: www.brint.com/papers/change/.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação do Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro, Campus.

OECD, OCDE e FINEP (2015). Organização para Cooperação e Desenvolvimento, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Financiadora de Estudos e Projetos (2005) – Manual de Oslo – Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação. Financiadora de Estudos e Projetos. Rio de Janeiro : ART/FINEP. Recuperado em 14 set. 2015 de: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (2013) - Manual de Frascati – Metodologia proposta para definir Inquéritos sobre Investigação e Desenvolvimento Experimental. Coimbra : F-Iniciativas. Recuperado em 14 set. 2015 de: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0225/225728.pdf.

Pereira, A. P., Caciglieri Junior, O. (2015). MOP&D: Modelo de desenvolvimento integrado de produto orientado aos projetos de P&D do setor elétrico brasileiro. Espaço Energia. Out. Recuperado em 29 de dez. 2015 de: http://www.espacoenergia.com.br/edicoes/23/EE023-09-12.pdf.Pinheiro, A. A., Siani, A. C.; Guilhermino, J. F., Henriques, M. G. M. O., Quental, C. M., & Pizarro, A. P. (2006). Metodologia para gerenciar projetos de pesquisa e desenvolvimento com foco em produtos: uma proposta. Revista de Administração Pública, 40(3), may-jun.

Prado, D. (2009). Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima, INDG Tecnologia e Serviços.

Plano de Gerenciamento do Projeto (2014). Projeto desenvolvimento de metodologia e sistema para tratamento de imagem e reconhecimento de padrões para inspeção autônoma de linhas aéreas de transmissão e de distribuição. ANEEL / INERGE.

PRJ. (2014) Arquivo referente ao formulário de Projeto desenvolvimento de metodologia e sistema para tratamento de imagem e reconhecimento de padrões para inspeção autônoma de linhas aéreas de transmissão e de distribuição. ANEEL / INERGE.

Project Management Institute (2013). Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK®) (5. ed.). Newtown Square, Pennsylvania, USA, PMI.

Shinoda, A. C. M. (2012). Gestão do conhecimento em projetos: um estudo sobre conhecimentos relevantes, fatores influenciadores e práticas em organizações projetizadas. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Smit, J., & Talamo, M. F. (2007). Da impropriedade acadêmica de usar o termo gestão do conhecimento na opinião dos programas de Ciências da Informação. Revista de Ciência da Informação, 3 (5), out.

Stenmark, D. (2001). Leveraging tacit organizational knowledge. Journal of Management Information Systems, 17, p. 9-24, 2001.

Vargas, R. V. (2006). Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos (6. ed.). Rio de Janeiro, Brasport.

Vicente, L. (s. d.). Como escolher um software de gerenciamento de projetos? Recuperado em 16 ago. 2015 de: http://blog.luz.vc/como-fazer/como-escolher-um-software-de-gestao-de-projetos/.

Vieira, M. F. (2008). Guia Para Implementação de Ferramentas de Gestão de Projetos. Revista Mundo PM - Project Management, 7 jan.

Von Krogh, G., Ichijo, K., & Nonaka, I. (2001). Facilitando a criação de conhecimento: Reinventando a empresa com o poder de inovação contínua. Rio de Janeiro, Campus.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso - Planejamento e Métodos– (4. ed.). São Paulo, Bookman.

Zhao, J. L., Kumar, A., & Stohr, E. A. (2001). Workflow-centric information distribution through e-mail. Journal of Management Information Systems, 17, pp. 45-72.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional