Processo de Formulação Estratégica em uma Rede de Franquias do Setor Farmacêutico

Guilherme Smaniotto Tres, Marcel Lima Ribeiro Dantas, Diego Philipe de Oliveira Godeiro, Afrânio Galdino de Araújo

Abstract


Compreender como o estrategista formula a estratégia organizacional é parte fundamental para entender melhor como as organizações alcançam e mantém suas vantagens competitivas. O objetivo deste estudo é identificar como ocorre o processo de formulação da estratégia pela perspectiva do indivíduo em uma rede de franquias do setor farmacêutico. Para tanto, considerou-se as três dimensões do processo de formulação estratégica de De Witt e Meyer que são: formulação, pensamento e mudança. Os resultados confirmam a existência de paradoxos no processo estratégico, e sugerem, para essa amostra, que os executivos formulam estratégias predominantemente criativas, emergentes e que há um equilíbrio entre mudanças evolucionárias e revolucionárias. Este artigo pode, por meio da identificação de como franqueador e franqueados formulam suas estratégias, auxiliar a determinação das estratégias adequadas no contexto das redes de franquias.


Keywords


Formulação da estratégia; Franchising; Mapas Cognitivos

References


Abdullah, F., Alwi, M. R., Lee, N. & Ho, V. B. (2008). Measuring and managing franchisee satisfaction: a study of academic franchising. Journal of Modelling in Management, 3(2), 182-199.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING – ABF (2015). Evolução do setor 2003-2014. Disponível em:. Acesso em 19 de abril de 2015.

Barney, Jay. Gaining and sustaining competitive advantage. Upper Siddle River, NJ: Prentice-Hall, 2002.

Bogner, W. C., Thomas, H. (1993). The Role of Competitive Groups in Strategy Formulation: A Dynamic Integration of Two Competing Models. Journal of Management Studies, 30(1),51-67.

Bonfilio, Rudy et al. Farmácia magistral: sua importância e seu perfil de qualidade. Revista Baiana de Saúde Pública,Salvador, v. 34, n. 3, p.653-664, jul-set, 2010.

Boulay, J. The role of contract, information system and norm in the governance of franchise systems. International Journal of Retail & Distribution Management, v. 38, n. 9, p.662-676, 2010.

BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada nº 33, de 19 de janeiro de 2000. Resolução - Rdc Nº 33, de 19 de abril de 2000.

BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada nº 67, de 08 de outubro de 2007. Resolução - RDC Nº 67, de 08 de outubro de 2007.

Cronbach, L. J. (1951). Coefficient alpha and the internal structure of test. Psychometrika.

Collis, David J. & Montgomery, Cynthia A. Corporate strategy: resources and the scope of the firm. New York: McGraw-Hill, 1997.

Dant, R. P., Grünhagen, M., & Windsperger, J. (2011). Franchising research frontiers for the twenty-first century. Journal of Retailing, 87(3), 253-268.

Davidovitsch, L., Caldas, L. F., & Silva, J.F. (2009). Estruturação das redes de fastfood: um estudo empírico sobre os antecedentes do franchising e suas implicações sobre o desempenho das firmas. Revista de Administração, 44(4), 299-312.

De Wit, B., & Meyer, R. (2004). Strategy: Process, Content, Context. An International Perspective. Minneapolis/St. Paul: West Publishing Company.

Dias, C. D. (2004). Principais conflitos do sistema franchising: caso Yázigi Internexus. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Eisenhardt, K. M, Kahwajy, J. L., & Bourgeois, L. J. (1997). Conflict and Strategic Choice: How Top Management Teams Disagree. California Management Review, 39(2),42–63.

Espinha, P. G., Machado, H. P. V., & Rodrigues, R. M. I. (2005). Considerações sobre o empreendedorismo e a exploração de negócios no franchising. Artigo apresentado no Encontro de estudos sobre empreendedorismo e gestão de pequenas empresas, 2005, Curitiba, Brasil.

Everitt, B. (2005). An R and S-PLUS® companion to multivariate analysis. London: Springer.

Fagundes, F. M., Gimenez, F. A. P. Ambiente, estratégia e desempenho em micro e pequenas empresas. Revista Brasileira de Estratégia, v. 2, n. 2, 2009.

Foster, D. P., Stine, R. A., & Waterman, R. P. (1998). Business Analysis using Regression. New York: Springer.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Hambrick, D. C., & Mason, P. A. (1984). Upper Echelons: The Organization as a Reflection of Its Top Managers. Academy of Management Review, 9(2), 193-206.

Hair Jr., J.F. et al. Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Kahneman, D.; Tversky, A. Prospect Theory - Analysis of Decision Under Risk. Econometrica, v. 47, n. 2, p. 263-291, 1979.

Kotler, P., Armstrong, G. Princípios de marketing. São Paulo: Prentice-Hall, 2003.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (1992). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos pesquisa bilbiográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Lozano, M. B. (2015). Strategic decisions of family firms on cash accumulation. Revista de Administração de Empresas, 55(4), 461-466.

Lucian, R., & Sousa Filho, J. M. (2009). Processo de Formulação Estratégica pela Perspectiva do Indivíduo: O Caso CELPE. Artigo apresentado no 3Es, 2009, Recife, Brasil.

Lucian, R., Barbosa, G. L., Sousa Filho, J. M. Pereira, F. A., & Silva, I. M. (2008). O que há na mente de um estrategista? O uso da modelagem de equações estruturais na compreensão do processo estratégico. Brazilian Business Review, Vitória, 5(2), 89-107.

Maemura, M. M. D. (2009). Análise de conflitos e soluções adotadas por franquias do setor alimentício: um estudo multicaso. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Mingoti, S. A. (2005). Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2010). Safári de Estratégia: Um Roteiro Pela Selva do Planejamento Estratégico. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Merlo, E. M. (2000). O desempenho do setor de franquias no Brasil: um estudo exploratório dos principais condicionantes de performance. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, USP, São Paulo.

Meirelles, A. de M. et al. Uma abordagem para estratégia utilizando analogias. In: Encontro Nacional da Associação de Pós-graduação em Administração, 24., Florianópolis, 2000. Anais. Florianópolis: ANPAD, 2000.

Moore, M. (2006). The Ten Faces of Innovation: IDEO’s Strategies for Beating the Devil’s Advocate. HR. Human Resource Planning, 29: 39.

Oliveira, D. de P. R. de. (2014). Estratégia Empresarial & Vantagem Competitiva: Como Estabelecer, Implementar e Avaliar. 9. ed. São Paulo: Atlas S. A.

Patrício, P. P. (2007). Análise das restrições recorrentes do relacionamento franqueado-franqueador: a construção de uma teoria substantiva sob a ótica do franqueado. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Porter, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier, 1986.

Porter, Michael E. On competition – competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Prado, M. N. (2008). Franchising na alegria e na tristeza. São Paulo: Lamônica.

Reger, R. K., & Huff, A. S. (1993). Strategic Groups: A Cognitive Perspective. Strategic Management Journal, 14(2), 103-124.

Rezende, A. J., Pereira, C. A., Athayde, T. R., Leite Filho, G. A. Análise do comportamento dos preços de medicamentos na cidade de São Paulo. Trabalho apresentado ao 8º Congreso del Instituto Internacional de Costos. Punta del Este, Uruguay; 2003.

Ribeiro, B. B. e Prieto, V. C. Franquia Varejista como Vantagem Competitiva: Múltiplos estudos de caso no segmento de farmácias e drogarias. Gestão & Regionalidade, v. 25, n. 75, p. 105-118, 2009.

Rocha, F. B. (2010). Impacto da postura comportamental do franqueado e de sua relação com o franqueador no desempenho da franquia. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Rocha, Daniela Torres da et al. Processo de formação de estratégia em pequenas empresas: um estudo bibliométrico e sociométrico. Revista da Micro e Pequena Empresa, Campo Limpo Paulista, v. 5, n. 1, p.102-119, jan-abr, 2011.

Santos, L. S. S., Alves, R. C., Almeida, K. N. T. Formação da Estratégia nas Micro e Pequenas Empresas: um Estudo no Centro-oeste Mineiro. Revista de Administração de Empresas, v.47, n. 4, out-dez, 2007.

Silva, V., & Azevedo, P. (2007). Formas plurais no franchising de alimentos: evidências de estudos de caso na França e no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 11, 129-152.

Silva, V., & Azevedo, P. (2012). Teoria e Prática do Franchising: Estratégia e organização de redes de franquias. São Paulo: Atlas S. A.

Silva, R. F., Filho, A. P. N. & Mendonça, D. C. (2006). Estratégias competitivas no mercado farmacêutico brasileiro: uma abordagem sobre o setor magistral. Artigo apesentado no 13rd Simpósio de Engenharia de Produção, Bauru, Brasil.

Stanworth, J., Stanworth, C., Watson, A., Pudy, D., Healeas, S. (2009). Franchising as a small business growth strategy . International Small Business Journal, 22(6), 539-559.

Streiner, D. L. (2003). Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter. Journal of Personality Assessment, 80(3), 217-222.

Thompson Junior, Arthur A. & Strickland III, Alonso J. Strategic management: concepts and cases. New York: McGraw-Hill, 2001.

Tikoo, S. (2005). Franchisor use of influence and conflict in a business format franchise system. International Journal of Retail & Distribution Management, 33(5), 329-342.

Tushman, M. L., & O Reilly, C. A. (1996). III Ambidextrous Organizations: Managing Evolutionary and Revolutionary Change. California Management Review, 38(4), 8-30.

Tripsas, M., & Gavetti, G. (2000). Capabilities, Cognition and Inertia: Evidence from Digital Imaging. Strategic Management Journal, 21, 1147-1161.

Wernerfelt, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171-180, April/June, 1984.

Wright, O., Frazer, L. A multiple case analysis of franchised co-branding. Australasian Marketing Journal, v. 15, n. 2, p. 68-80, 2007.

Walker, G. Modern competitive strategy. New York: McGraw-Hill, 2004.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional