Influência da Estrutura de Governança Corporativa na Eficiência Financeira: Evidências de Empresas Brasileiras de Capital Aberto

Tatiana Marceda Bach, Claudineia Kudlawicz, Eduardo Damião da Silva

Abstract


O agente é responsável por atuar no gerenciamento dos interesses do principal e maximizar os lucros da empresa, com o propósito de coordenar e controlar as atividades realizadas por ambos surge a governança corporativa, visando gerar maiores retornos e eficiência. Este artigo objetiva analisar a influência da governança corporativa na eficiência das empresas de capital aberto listadas na BOVESPA. De natureza quantitativa-descritiva, foram analisados dados de 284 empresas no período de 2008 a 2013. Para o cálculo da eficiência foi utilizado a Análise por Envoltória de Dados (DEA) e, para a análise dos dados, utilizou-se o software UNCINET 6.0 e o pacote estatístico STATA versão 11.0. A governança foi avaliada a com base no estudo de Silveira (2004) e com base nas recomendações do código de melhores práticas de Governança Corporativa de agências regulamentadoras. A eficiência dos bancos, ao longo de 6 anos, mostrou-se estável e superior ao das demais empresas. A influência da governança corporativa na eficiência é explicada, para as empresas, pelas variáveis estrutura do conselho e estrutura de propriedade, para os bancos, é explicada pelas variáveis acesso às informações, estrutura do conselho, crescimento da receita e ativo total. Este estudo contribui para a identificação das empresas e bancos eficientes, que a partir deste resultado, podem modificar suas ações e estratégias para aumentar sua eficiência corporativa. Para a governança, as variáveis que se mostraram inversamente proporcionais à eficiência poderiam ser revistas pelas empresas com o propósito de contribuir para um maior crescimento e maximização de seus lucros.

Keywords


Teoria da Agência; Governança corporativa; Análise pro Envoltória de Dados; Empresas de Capital Aberto.

References


Adams, R. B., Hermalin, B. E. & Weisbach, M. S. (2010). The role of boards of directors in corporate governance: a conceptual framework and survey. Journal of Economic Literature, 48(1):58-107.

Berle, A. & Means, G. (1932). The modern corporation and private property. New York: Macmillan.

Beuren, I. M., Nascimento, S. do & Rocha, I. (2013). Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal, 5:1, 198-226, jan./jun.

Berger, A. N., Hunter, W. C. & Timme, S. G. (1993). The efficiency of financial institutions: a review and preview of research past, presente, and future. Journal of Banking of Finance, 17:221-249.

Berger, A. N. & Humphrey, D. B. (1997) Efficiency of financial institutions: international survey and directions for future research. European Journal of Operational Research, Special Issue.

Berger, A. N. & Mester, L. J. (1997). Inside the black BOX: what explains differences in the efficiencies of financial institutions? Journal of Banking and Finance, 21.

Bernardino, F. F. M., Peixoto, F. M. & Ferreira, R. do N. (2015). Governança e eficiência em empresas do setor elétrico brasileiro. Pretexto, 16(1):36-51.

Carneiro, J. & Silva, J. F. da. (2010). Medidas contábeis-financeiras como indicadores de desempenho organizacional: análise crítica de sua conceituação e operacionalização. Revista Eletrônica de Gestão de Negócios, 6(3):31-68.

Catapan, A. & Colauto, R. D. (2014). Governança corporativa: uma análise de sua relação com o desempenho econômico-financeiro de empresas cotadas no Brasil nos anos de 2010-2012. Contaduría & Administración, 59(3):137-164.

Charnes, A., Cooper, W. W. & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, 2:429-444.

Demirbas, D., & Yukhanaev, A. (2011). Independence of board of directors, employee relation and harmonisation of corporate governance: Empirical evidence from Russian listed companies. Employee Relations, 33(4): 444-471.

Eisenhard, K. M. (1989). Agency theory: an assessment and review. Academy of Management Review, 31: 488-511.

Farhi, M. & Borghi, R. A. Z. (2009). Operações com derivativos financeiros das corporações de economias emergentes. Estudos Avançados, 23:66.

Ferreira, R. N. (2012). Eficiência das práticas de governança corporativa no Brasil. Tese de doutorado em administração. Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Ferreira, R. N., Santos, A. C. dos, Lopes, A. L. M., Nazareth, L. G. C. & Fonseca, R. A. (2013). Governança corporativa, eficiência, produtividade e desempenho. Revista de Administração da Mackenzie, 14(4):134-164.

Gujarati, D. N. (2006). Econometria básica. 2. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBCG). (2010). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4.ed. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo, SP: IBCG.

Iudícibus, S., Martins, E., Gelbcke, E. R., & Santos, A. dos. (2010). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas.

Kassai, S. (2002). Utilização da Análise por Envoltória de Dados (DEA) na análise de demonstrações contábeis. Tese de Doutorado inédita. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, da Universidade de São Paulo. São Paulo, São Paulo.

Kumar, P., & Zattoni, A. (2013). Editorial: corporate governance, board of directors, and firm performance. Oxford: Blackwell.

Loureiro, D. Q., Gallon, A. V. & De Luca, M. M. M. de. (2011). Subvenções e assistências governamentais (SAGs): evidenciação e rentabilidade das maiores empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(13):34-54.

Maroco, J. (2003). .Análise Estatística. 2. ed. Lisboa: Edições Silabo.

Melkumov, D. (2009). Institutional background as a determinant of boards of directors internal and external roles: the case of Russia. Journal of World Business, 44: 94-103.

Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD). (2004). OECD Principals of Corporate Governance, Organisation for Economic Co-operation and Development. Paris.

Peixoto, F. M. (2012). Governança corporativa, desempenho, valor e risco: estudo das mudanças em momentos de crise. Tese de doutorado em administração. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Peixoto, F. M., Ferreira, R. N. & Lopes, A. L. M. (2011). Corporate governance and performance in the electricity sector using data Denvelopment analysis: a study in the Brazilian capital market. Proceedings of Conference on Performance Measurement and Management Control. The European Institute for Advanced Studies in Management.

Peña, C. A. (2008). Um modelo de avaliação da eficiência da administração pública através do método de Análise Envoltória de Dados (DEA). Revista de Administração Contemporânea, 12(1):83-106.

Perez, M. M. & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade & Finanças, 17:40, 7-24.

Silveira, A. di. M. da. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. Tese de Doutorado inédita, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo.

Sonza, I. B. (2012). Eficiências entre estruturas de propriedades concentradas e compensação de executivos: novas evidências para o Brasil. Tese de doutorado em administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Sonza, I. B. & Kloeckner, G. de O. (2014). A governança corporativa influencia a eficiência das empresas brasileiras? Revista de Contabilidade e Finanças, 25(65):145-160.

Williamson, O. E. (1996). Economic organization: the case for candor. Academy of Management Review, 21: 48-57.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional