Governança em APL: Ações Coletivas, Cooperação e Coordenação em um APL de Software

Carla Cristina Silva, Bruno Tavares Tavares, Jessica Natalia Silva

Abstract


Os arranjos produtivos locais (APLs) caracterizam-se pela aglomeração geográfica de empresas de setores específicos, com vínculos cooperativos, associados ao apoio de entidades públicas e de classe. Esta forma de organização ganha relevância pela possibilidade de obtenção de vantagens derivadas da concentração setorial e da ação coletiva, permitindo que as empresas alcancem o que Schmitz (1997) denominou eficiência coletiva. Assim, o presente artigo parte do entendimento bidimensional dos APLs, analisando o contexto institucional e as relações entre os atores. O objetivo do presente artigo compreender as relações interorganizacionais entre o poder público, entidades de classe e empresas no APL de software de Uberlândia, no Estado de Minas Gerais. Para tanto, identifica-se os principais atores presente no contexto institucional do APL, as formas de cooperação entre as empresas, entre entidades e entre empresas e entidades bem como os modos de coordenação. Metodologicamente, a análise dos dados realizada por meio da análise de conteúdo por meio de categorização com grade mista, sendo fundamentada na perspectiva estrutural e processual da governança.  Os resultados revelam que o APL apresenta uma pluralidade de entidades que desenvolvem ações a fim de desenvolver o setor e percebe-se diferentes maneiras de cooperar e coordenar caracterizando-se por distintas estruturas de governanças, percebendo diferentes esferas e níveis de influência dos atores. Não obstante, a governança é caracterizada com relações menos complexas e coordenação de forma compartilhada entre os atores.


Keywords


Relações interorganizacionais, cooperação, coordenação.

References


Ázara, L. N. (2013). A Industria de Software no Contexto Institucional: Um estudo em dois Municípios de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Lavras. Lavras.

Balestrin, A., Verschoore, R., & Reyes Jr., E. (2010, maio/junho). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14 (3).

Balestrin, A.; Verschoore, J. (2008) Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 225 p.

Best, M. (1990). The new competition: institutions for industrial restructuring. Cambridge: Harvard University.

Cario, S. A. F., & Nicolau, J. A. (2012). Estrutura e Padrão de Governança em Arranjos produtivos Locais no Brasil: Um estudo Empírico. Ensaios FEE, Porto Alegre, V. 33, n 1, p. 171-200.

Cassiolato, J., Szapiro, M. (2003). Uma Caracterização de Arranjos Locais e Pequenas Empresas. Capitulo 2 do Livro “Pequena Empresa: Cooperação e Desenvolvimento Local”, Organizado por Helena M.M. Lastres, José E. Cassiolato e Maria Lúcia Maciel, Ed: Relume Dumará.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede: a era da informação, economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Artmed.

Ebers, M. (1997). Explaining inter- organizational network forming. In. EBERS, M. (Ed.): The Formation of Iter – Organization Networks. Oxford p. 3-40.

Erber, F. S. (2008). Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais industriais: comentando o conceito. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 11-32.

Garcia, R. (2006) Economias externas e vantagens competitivas dos produtores em sistemas locais de produção: as visões de Marshall, Krugman e Porter. Ensaios FEE, v. 27, n. 2, p. 301-324.

HARDIN, G. DOZ, Y. L. Formatos multilaterais. HSM management. n. 15, jul/ago, 1999.

Hasenclever, L., & Zissimos, I. (2006). A Evolução das Configurações Produtivas Locais no Brasil: Uma Revisão de Literatura. Estudos em Economia. São Paulo, V. 36, N.3. P 407- 433.

Humprhey, J.; Schmitz, H. (2000) Governance and upgrading: linking industrial cluster and global value chain research. Brighton: Institute of Development Studies/University of Sussex, 2000. 37 p. (IDS. Working paper, 120).

Klotzle, M. C. (2002). Alianças estratégicas: conceito e teoria. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 6, n. 1, p. 85-104.

Loiola, E., & Moura, S. (1996). Análise de redes: uma contribuição aos estudos organizacionais. In: FISCHER, T. (Org.). G e s t ã o c o n t e m p o r â n e a: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Maia, M. H. B. (2011). Cooperação e competição em um aglomerado produtivo: O caso do setor moveleiro de Carmo do Cajuru (MG). Dissertação de Mestrado. 130f. Universidade Federal de Viçosa.

Miles, G., Preece, S., & Baetz, M. (1999). Dangers of dependence: the impact of strategic alliance use by small technology-based firms. Journal of Small Business Management, Hoboken, v. 37, n. 2, p. 20-9.

Palakshappa, N., & Gordon, M. (2007) Collaborative business relationships: helping firms to acquire skills and economies to prosper. Journal of small business and enterprise development.- Birmingham: Emerald Group Publ., ISSN 1462-6004, ZDB-ID 21417088. - Vol. 14, p. 264-279.

Parker, R. (2008) Governance and the Entrepreneurial Economy: A Comparative Analysis of Three Region. Entrepreneurship Theory and Practice. Hoboken, v. 32, n.5, p. 833.

Payan, J. M. (2007). A review and delineation of cooperation and coordination in marketing channels. European Business Review. V. 19, nº 3, p. 216-233.

Pereira, B. A. D. (2005) Estrutura de Relacionamentos Horizontais. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Piore, M., & Sabel, C. (1984). The second industrial divide: possibilities for prosperity. Nova York: Basic Books.

Rabellotti, R. (1995) Is there an 'industrial district' model: footwear districts in Italy and México compared. World Development, Montreal, v. 20, n.1.

Santos, S. A., Pereira, H. J., & Abrahão França, S. E. (1994). Cooperação entre as micro e pequenas empresas. São Paulo: Sebrae.

Schmitz, H. (1997). Eficiência coletiva: caminho de crescimento para a indústria de pequeno porte. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 18, n.2 p. 164-200.

Schmitz, H., & Nadvi, K. (1999) Clustering and industrialization: introduction. World Development, Montreal, v. 27, n. 9.

Silva, I. C. (2011). Governança nas Aglomerações Produtivas: Um estudo no setor de vestuário de Divinópolis- Minas Gerais. 154 f. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Lavras.

SOFTEX. (2013). Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro. Disponível em: < http:. Acesso em: 10 dez.

Souza, Q. R. (2004). Governança de Redes interoganizacionais no terceiro setor: níveis de controle formal em atividades operacionais de gestão de conhecimento – O caso do Coep Paraná 2000 - 2003. 26 de março de 2004, 179 f. Dissertação de Mestrado, Pontifica Universidade Federal Católica do Paraná, Curitiba.

Storper, M. (1997). Regional economies as relational assets. In: ______. The regional world: territorial development in a global economy. New York: The Guilford. chap. 2, p. 26-52.

Suzigan, W. (2006). Identificação. Mapeamento e caracterização estrutural de Arranjos Produtivos Locais no Brasil. Relatório Consolidado. Instituto de pesquisa e Economia Aplicada – IPEA.

Suzigan, W. (2007). Estrutura de Governança em arranjos ou Sistemas Locais de Produção. Gestão Produção. V.14, n.2, p. 425-439, maio-Agosto.

Suzigan, W., Garcia, R., & Furtado, J. (2002) Governança de sistemas de MPME em, clusters industrias. Rede de Sistemas Produtivos e Inovativos. UFRJ.

Tavares, B. (2011). Estrutura das aglomerações produtivas e capacitações das micro e pequenas empresas: um estudo comparativo do setor de vestuário em Minas Gerais. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Lavras.

Teixeira, F. L. C. (2008). Diagnóstico competitivo, estratégias e planos de trabalhos em arranjos produtivos locais (apls). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 34, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. 1 CD.

Vale, G. M. V. (2007). Aglomerações Produtivas e Estudos Organizacionais: Em usca de uma Tipologia sobre novas Conformações Organizacionais. XXXI Encontro da ANPAD – ENANPAD. Rio de Janeiro.

Van Dijk, M. P. (1995). Flexible specialisation, the new competition and industrial districts, Small Business Economics, Berlim, v. 7, p. 15–28.

Venturini, C. G. (2008). Assimetria de informação em redes de empresas horizontais: um estudo das diferentes percepções de seus atores. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.

Vilella, L. E., & Pinto, M. C. S. (2009). Governança e Gestão Social em Redes Empresariais: Analise de três arranjos produtivos locais (Apls) de confecção no estado do Rio de Janeiro. RAP – Rio de Janeiro.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional