Capacidades Dinâmicas e Sistema de Gestão Ambiental em Organização Militar da Marinha do Brasil

Romero Albuquerque Maranhão, Cláudia Echevenguá Teixeira

Abstract


Capacidades Dinâmicas (CD) estão diretamente relacionadas ao sucesso organizacional visto que representam capacidades estratégicas de alto nível responsáveis pela articulação, reestruturação e criação de processos e rotinas organizacionais. A adoção, implementação e manutenção de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) fornece um arcabouço de inovação centrado na gestão de rotinas, processos, competências e capacidades, sendo, portanto, fonte de CD e de inovação. A pesquisa teve o objetivo de mapear e descrever as CD que suportam a adoção e manutenção de um SGA em Organização Militar. Para responder à questão de pesquisa foi adotada a metodologia qualitativa, por meio de estudo de caso único. As técnicas de coleta de dados foram entrevistas, análise de documentos e observação direta e participativa. Após a análise dos dados foram identificadas nove Capacidades Dinâmicas (otimização contínua do gerenciamento e controle de resultados; otimização do uso de água e energia; cultura sustentável; auditorias contínuas; capacitação continuada dos colaboradores; capacitação continuada do gestor ambiental; seleção de fornecedores; seleção de cooperativa; e renovação continuada das práticas de gestão ambiental) envolvidas no processo de adoção e manutenção do SGA da Organização Militar analisada.


Keywords


Capacidades Dinâmicas; Sistema de Gestão Ambiental; Organização Militar; Inovação.

References


Almeida, J. R. (2006). Gestão Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Thex Editora.

Álvarez, I. G.; Lorenzo, M. P.; Sánchez, I. M. (2011). Corporate social responsibility and innovation : a resource-based theory. Management Decision, 49 (10), 1709-1727.

Angelo, F. D.; Jabbour, C. J. C.; Galina, S. V. R. (2011). Inovação ambiental: das imprecisões conceituais a uma definição comum no âmbito da Gestão Ambiental proativa. GEPROS - Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 6 (4), 143-155.

Aragon-Correa, J. A.; Sharma, S. (2003). A contingent resource-based view of proactive corporate environmental strategy. Academy of Management Review, 28, pp.71-88.

Barata, M. M. L.; Kligerman, D. C.; Minayo-Gomez, C. (2007). A gestão ambiental no setor público: uma questão de relevância social e econômica. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 12 (1), 165-170.

Barbieri, J. C. (1997). Políticas públicas indutoras de inovações tecnológicas ambientalmente saudáveis nas empresas. Revista de Administração Pública, São Paulo, 31 (2), 135-52.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, Modelos e Instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barney, J. B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17 (1), 99-120.

Barreto, I. (2010). Dynamic capabilities: a review of past research and an agenda for the future. Journal of Management, 36, pp. 256-280.

Bergman, J.; Jantunen, A.; Saksa, J. M. (2004). Knowledge creation and sharing – Scenarios and Dynamic Capabilities in inter-industrial knowledge network. Journal of Knowledge Management, 8 (6), 63-77.

Brasil. Lei n° 10.973, de 02 de dezembro de 2004. (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/ l10.973. htm. Acesso em: 02 de março de 2014.

Brasil. Marinha do Brasil. Secretaria Geral da Marinha (SGM). (2008). SGM-304 – Normas sobre Contabilidade das Organizações Militares Prestadoras de Serviços. Brasília, DF.

BNVC. (2013). Informativo da Base Naval de Val-de-Cães (BNVC). Ano IV - 1° Quadrimestre/2013. Disponível em: http://www.mar.mil.br/bnvc/docs/INFORMATIVOS/ Informacaes012013.pdf. Acesso em: 02 de março de 2014.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from case study research. Academy of Management Review. Califórnia, 14 (4), 532-550.

Eisenhardt, K. M.; Martin, J. A. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21, pp. 1105-1121.

Galinic, J. & Eisenhardt, K. M. A. (2000). Dynamic Capabilities, what are they? Strategic Management Journal, 21, pp. 1105-1121.

Griffith, D. & Harvey, M. (2001). A resource perspective of global dynamics capabilities. Journal of International Business Studies, 32 (3), 597-607.

Giovannini, F.; E Kruglianskas, I. (2008). Fatores Críticos de Sucesso para a Criação de um Processo Inovador Sustentável de Reciclagem: um Estudo de Caso. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, 12 (4), 931-951.

Helfat, C. E. (1997). Know-how and asset complementarity and dynamic capability accumulation: the case of R&D. Strategic Management Journal, 18 (5), 339–360.

Helfat, C. E.; Peteraf, M. A. (2003). The Dynamic Resource-Based View: Capability Lifecycles. Strategic Management Journal, 24 (10), 997-1010.

Helfat, C. E.; Peteraf, M. A. (2009). Understanding Dynamic Capabilities: progress along a developmental path. Strategic Organization, 7, pp. 91-102.

Ito, K. (2006). Environmental Management Systems for Public Sector. Disponível em: http://ideas.repec.org/p/wiw/wiwrsa/ersa05p169.html. Acesso em: 02 de março de 2014.

Kimberly, J. R.; Evanisko, M. J. (1981). Organizational innovation: The influence of individual, organizational and contextual factors on hospital adoption of technological and administrative innovation. Academy of Management Journal, 24 (4), 689-713.

Lee, J.; Lee, K.; Rho, S. (2002). An evolutionary perspective on strategic group emergence: A genetic algorithm- based model. Strategic Management Journal, 23, pp. 727-746.

Lima, M.; Licks, G. (2006). Determinação de custos hospitalares na Marinha do Brasil: aplicação da sistemática OMPS. Disponível em: http://www.atividade.com.br/ licksassociados/docs/ARTIGO_OMPS.pdf. Acesso em: 30 de janeiro de 2014.

Luiz, L. C.; Rau, K.; Freitas, C. L.; Pfitscher, E. D. (2013). Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) e Práticas de Sustentabilidade: Estudo Aplicado em um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Revista de Administração Pública e Gestão Social, 5 (2), 114-134.

Maranhão, R. A. (2010). Modelo de gestão ambiental aplicado à Estação Naval do Rio Negro, Manaus. Anais... I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia. UFAM.

Maranhão, R. A. (2011). Práticas de Produção mais limpa em Organização Militar Prestadora de Serviços Industriais (OMPS-I): um estudo na Base Naval de Val-de-Cães. Anais ... 3rd International Workshop - Advances in Cleaner Production, São Paulo – SP. Disponível em: http://www.advancesincleanerproduction.net/third/files/sessões/4B/3/Maranhao_RA%20-%20 Paper%20-%204B3.pdf. Acesso em: 03 de fevereiro de 2014.

Maranhão, R. A. (2012). Gestão de Resíduos de Serviço de Saúde em Organização Militar da Marinha do Brasil: um estudo na Base Naval do Rio de Janeiro. Monografia de MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

Mazza, C. L. S. (2013). Capacidades Dinâmicas e Inovação em Serviços: um Estudo de Caso das Práticas de Sustentabilidade Empresarial do Laboratório Sabin. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Administração. Brasília: Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília – UnB.

Mazza, C. L. S.; Isidro-Filho, A. (2013a). Capacidades Dinâmicas e Inovação em Serviços: Um Estudo de Caso das Práticas de Sustentabilidade Empresarial do Laboratório Sabin. Anais... VI Encontro de Estudos em Estratégia – ANPAD, Bento Gonçalves – RS.

Mazza, C. L. S.; Isidro-Filho, A. (2013b). Capacidades Dinâmicas e Sistemas de Gestão Ambiental: Estudo da Implementação da ISO 14001 no Laboratório Sabin. Anais... VI Encontro de Estudos em Estratégia – ANPAD, Bento Gonçalves – RS.

Menguc, B., Ozanne, L. K. (2005). Challenges of the "green imperative": A natural resource based approach to the environmental orientation-business performance relationship. Journal of Business Research, 58 (4), 430-439.

Nelson, R.; Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change. Belknap Press, Cambridge.

Neto, J. S. M. (2009). São Luís tem condições de abrigar a Segunda Esquadra. Disponível em: http://maranhaomaravilha.blogspot.com.br/2009/09/sao-luis-tem-condicoes-de-abrigar.ht ml. Acesso em: 30 de janeiro de 2014.

Neves, E. B.; Rosemberg, B. (2010). Estudo comparativo entre o Sistema de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro e a norma ISO 14001. Revista de Gestão Social e Ambiental, 4 (1), 159-177.

OCDE. (2005). Manual de Oslo. 3ª ed. FINEP/OECD.

Ortiz, J. (2005). Implementing Environmental Management Systems in the Federal Government: Real Change or Flavor-of-the-Month? Electronic Green Journal, 21, pp. 57-65.

Ramos, T. (2007). Environmental performance indicators for the public sector. Disponível em: http://www.eoearth.org/view/article/152631. Acesso em: 26 de fevereiro de 2014.

Rindova, V.; Taylor, S. (2002). Dynamic capabilities as macro and micro organizational evolution. Disponível em: http://bus8020kelly.alliant.wikispaces.net/file/view/dynamic+capa bilities+as+micro+macro.pdf. Acesso em: 26 de fevereiro de 2014.

Robles Junior, A.; Bonelli, V.V. (2006). Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque econômico, financeiro e patrimonial. São Paulo: Atlas.

Rogers, E.; Shoemaker, F. F. (1971). Communication of innovations: a cross cultural approach. New York: Free Press.

Schumpeter, J. (1988). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Swift, T.; Broady, J. (1998). Environmental management systems in the public sector: The Queensland options. Greener Management International, 22, pp. 73-83.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, 28, pp. 1319-1350.

Teece, D. J.; Pisano, G.; Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18 (7), 509-533.

Tinoco, J. E. P.; Kraemer, M. E. P. (2004). Contabilidade e Gestão Ambiental. São Paulo: Atlas, 2004.

Vasconcelos, F. C.; Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40 (4), 20-37.

Zahra, S. A.; George, G. (2002). The Net-Enabled Business Innovation Cycle and the Evolution of Dynamic Capabilities. Information Systems Research, 13 (2), 147-150.

Zahra, S. A.; Sapienza, H. J.; Davidsson, P. (2006). Entrepreneurship and dynamic capabilities: A review, model and research agenda. Journal of Management Studies, 43, pp.917-955.

Zollo, M.; Winter, S. (2002) Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization Science, 13 (3), 339-353.

Whipp, R.; Clark, P. (1986). Innovation and the auto industry: Product, process and work organization. London: Francis Pinter.

Winter, S. G. (2003). Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, 24, pp. 991-995.

Wolfe, R. (1994). Organizational innovation: review, critique and suggested research directions. Journal of Management Studies, 31 (3).

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª edição, Porto Alegre: Bookmam.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional