Innovative Strategy in Shrimp Potiguar: Asymmetries Power Generation and Implications for Policy Innovation

Mariana Baldi, Ayalla Candido Freire

Abstract


This paper aims to analyze the technological trajectory and the actors – public and private - political behave in the carciniculture network (cultivate of shrimp) in the federal estate of Rio Grande do Norte. The research was based on both embeddedness and cluster policy approach. The case study was based on bibliographic, archives, and empirical data, whose primary data were collected through semi-structured interviews carried on with 10 members of different organizations from carciniculture sector in the period 2009-2010, as well as interviews already conducted in the area since the year 2005. These data were submitted to content analysis with longitudinal and descriptive approach. Along the technological trajectory of the cluster we highlighted opportunities and limits for innovative strategies generated by asymmetries of power and ability to influence actors in the network. We highlight the relationship between 'power network' and 'links established with public actors' as well as the implications for innovation along the trajectory generated by a more or less state interference.

Keywords


Innovative Process; Technological Trajectory; Political Embeddedness; Carciniculture; Cluster Policy.

References


ABCC. (2009). Associação Brasileira de Criadores de Camarão. Censo da carcinicultura nacional 2004. Disponível em: http://www.abccam.com.br/abcc/images/stories/publicacoes/TABELAS_CENSO_SITE.pdf

Acesso em: 22 ago. 2009.

Baldi, M. (2006) O agronegócio da carcinicultura no RN e a estruturação da sua rede local e mundial: aspectos necessários a uma competitividade sustentável a médio e longo prazo. 2006. Relatório de Pesquisa - FAPERN, Natal.

Baldi, M.; Lopes, F. (2008) Primar orgânica: inovação em tempos de crise. Cadernos EBAPE. BR, v. 6, n. 3, set.

Baldi, M.; Silva Filho, R. B. da.; Freire, A. C. (2010) Arranjo produtivo da carcinicultura potiguar: avanços e limites na articulação entre o Estado e o setor produtivo. In: ENCONTRO DA ANPAD, 34. 2010, Rio de Janeiro. Anais do XXXIV EnANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD.

Bardin, L. (1996) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Burfitt, A.; Macneill, S. (2008) The challenges of pursuing cluster policy in the congested state. International Journal of Urban and Regional Research. v.32, n.2, jun.

Cárdenas, L.Q. (2007) A formação e o desenvolvimento de arranjos cooperativos sob a ótica da imersão e da economia dos custos de transação: um estudo de caso na COOPERCAM e na UNIPESCA. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Cassiolato, J. E.; Lastres, H. M. M. (2007) Inovação e sistemas de inovação: relevância para a área de saúde. RECIIS, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.153-162, jan-jun.

Cassiolato, J. E.; Lastres, H. M. M.; Szapiro, M. (2000) Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e Proposições de Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico. In: Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico. Bloco 3, Nota Técnica 27. IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

Dacin, M. T.; Ventresca, M. J.; Beal, B. (1999) The embeddedness of organizations: dialogue and directions. Journal of management, v. 25, n. 3, p.317-356, may-june.

Diez, M. A. (2001) The Evaluation of Regional Innovation and Cluster Policies: Towards a Participatory Approach. European Planning Studies, v.9, n.7.

Dosi, G. (1982) Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research Policy, v.11, p.147-162.

Dosi, G. (2006) Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria de semicondutores. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Dunham, F. B.; Bomtempo, J. V.; Almeida, E. L. F. de. (2006) Trajetórias tecnológicas em combustíveis sintéticos: análise dos mecanismos de seleção e indução. Revista Brasileira de Inovação, v. 5, n. 1, jan-jun.

Freeman, C. (1989) New technology and catching up. The European Journal of Development Research, v. 1, n. 1, p.85-99, jun.

Freire, A. C. (2010) A geração de inovação na carcinicultura do RN: uma análise a partir da imersão social. 2010. 177f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Granovetter, M. (1985) Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v.91, n.3, nov.

Hardy, J.; Currie, F.; Zhen, Ye. (2005) Foreign investment and locality in transforming economies: the case of ABB in Poland and China. Competition & Change, v. 9, n. 3, p.277-297, sept.

Jacobson, C. K.; Lenway, S. A.; Ring, P. S. (1993) The political embeddedness of private economic transactions. Journal of Management Studies, v.30, n.3, may.

Jucevicius, G.; Puidokas, M. (2006) Cluster policy theory and practice: the latecomer country perspective on policy opportunities and limitations. Social Sciences, v. 54, n. 4.

Lastres, H. M.M.; Cassiolato, J. E. (2003) Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Rede de pesquisa em sistemas produtivos e inovativos locais, novembro.

Lopes, F; Baldi, M; Cárdenas, L. (2008) Parceria no agronegócio da carcinicultura na perspectiva da imersão estrutural: o caso da Camanor Produtos Marinhos LTDA. Base/Unisinos, v.5, n.2, mai/ago.

Lundvall, B-Å.; Johnson, B. (2000) Promoting innovation systems as a response to the globalising learning economy. In: Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico. Rio de Janeiro: IE/UFRJ, dez.

Lundvall, B-Å.; Johnson, B.; Andersen, E. S.; Dalum, B. (2002) National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, v.31, p.213-231.

Marshall, A. (1985) Princípios de Economia. 2 ed. São Paulo: Nova Cultural.

Michelson, E. (2007) Lawyers, political embeddedness and institutional continuity in China’s transition from socialism. AJS, v. 113, n. 2, p.352-414, sep.

Nohria, N. (1992) Introduction: is a network perspective a useful way for studying organizations? In: NOHRIA, N.; ECCLES, R. G. (Ed.). Networks and organizations: structure, form, and action. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press.

Polanyi, K. (2000) A grande transformação: as origens da nossa época. 4.ed. São Paulo: Campus.

Porter, M. (1989) A vantagem competitiva das nações: Campus.

Powell, W; Smith-Doerr, L. (1994) Networks and economic life. In: Smelser, N. J.; Swedberg, R. (Ed.). Handbook of Economic Sociology. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Quivy, R; Campenhoudt, L. V. (1998) Manual de investigação em ciências sociais. 2.ed. Lisboa: Gradiva Publicações.

Schwandt, T. (2006) Três posturas epistemológicas: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: Denzin, N. K.; Lincoln, Y. (Orgs.). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2ed. Porto Alegre: ARTMED.

Silva Filho, R. B. da. (2009) Carcinicultura do RN: uma análise a partir da Tríplice Hélice. 2009. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Tigre, P. B. (2006) Gestão da inovação: a economia da tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier.

Trivinos, A. N. S. (1995) Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vieira, M. M. F. (2004) Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: Vieira, M. M. F.; Zouain, D. M. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. 2ed. Rio de Janeiro: FGV.

Yin, R. K. (2005) Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zheng, L. (2008) Political embeddedness as a double-edged sword: firms in China’s stock market. Annual Meeting of the American Sociological Association. Sheraton, Boston: MA, jul.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional