Strategic Management Tools, Stakeholders and Performance Organizations, Private Health Branch of the Federal District

Bruno Vendruscolo, Valmir Emil Hoffmann, Carlos Alberto Freitas

Abstract


This study aimed to identify the use of management tools and the influence of stakeholders on organizational performance of companies in the private health sector in the Federal District. We used the tools of strategic management, such as budgeting, strategic planning, balanced scorecard, benchmarking, and management software. Study participants consist of individuals involved in strategic processes. We analyzed the past 5 years in organizations to understand the performance. The data collection was face-to-face, the instruments consisted of qualitative interviews in person, and semi-structured content analysis. We also performed analysis of secondary data and documents. To measure the performance between the organizations we used the method of data envelopment analysis (DEA), using the CCR standard, and the mean change index as the number of employees, physicians, costs, number of appointments, and tests. In the analysis of tools and stakeholders we adapted values for the major and minor influences and the other results found framed. The results cite the presence of management tools in five of the six organizations. The comparison of performance between them presented as a result that organizations 2 and 4 were efficient and 3 was the least efficient. The study identified the need to understand the requirements of stakeholders and the indicators set out to understand organizational performance and its evolution, mainly determined by the management tools. Although not reaching proposed levels, this work creates hypotheses about the use of these tools and analysis of stakeholders in organizational performance.


Keywords


Performance; Strategic Management; Health; Stakeholders.

References


Albuquerque, J. P., Prado, E. P. V., Machado, G. R. (2011). Ambivalent implications of health care information systems: a Study in the Brazilian public health care system. Revista de Administração de Empresas – RAE 51 (1), 58-71.

Almeida, C. de. O. (2007). O orçamento como ferramenta para a gestão de recursos financeiros no terceiro setor: um estudo nas organizações do estado do Rio Grande do Norte. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília. Natal.

Artmann, E, Azevedo, C. S. & Sá, M. C. (1997). Possibilidades de aplicação do enfoque estratégico de planejamento no nível local de saúde: análise comparada de duas experiências. Rio de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública, 13(4), 723-740. doi:10.1590/S0102-311X1997000400015

Associação Nacional dos Hospitais Privados. Observatório - ANHP (2010). São Paulo. Recuperado em 18 Maio 2010 de http://www.anahp.org.br/publicacoes.asp.

Bandeira-de-Mello, R., Marcon, R. (2006) Heterogeneidade do desempenho de empresas em ambientes turbulentos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 46, (2), 34-43.

Barney, J.B. (1991) Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17, 99-120. doi:10.1177/014920639101700108

Beal, A. (2000) Gestão estratégica da informação: como transformar a tecnologia da informação em fatores de crescimento e alto desempenho organizacional, São Paulo (2), 104.

Calazans, A.T.S. (2006). Conceitos e uso da informação organizacional e informação estratégica. TransInformação, Campinas, 18, (1), 63-70.

Carlini Jr., R. J., Vital, T. W. (2004). A utilização do benchmarking na elaboração do planejamento estratégico: (...) Revista Brasileira de Gestão de Negócios - RBGN, São Paulo, 6, (14), 60-66.

Contador, J. C. (1995). Planejamento estratégico: recomendações sobre (...). Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 35 (2).

Correa, M. G., Prochnik, V. & Ferreira, A. C. S.(2009) Balanced scorecard em Hospitais: uma avaliação das críticas associadas ao modelo a partir do estudo de caso em duas organizações hospitalares Brasileiras. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 33. São Paulo, Brasil.

Correia, R. G., Liddle, J. (2009). The balanced scorecard as a performance management tool for third sector organizations: case of Arthur Bernardes Foundation, Brazil. BAR – Brazilian Administration Review, Curitiba, 6, (4), 354 – 366.

Dietschi, D. A., Nascimento, A. M. (2008). Um estudo sobre a aderência do balanced scorecard as empresas abertas e fechadas. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo, 19, (46).

Donaldson, T., Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidences and implications. Academy of Management Review, 20, (1). doi:10.5465/AMR.1995.9503271992

Fernandes, B. H. R., Fleury, M. T. L. & Mills, J. (2006). Construindo o diálogo entre competência, recursos e desempenho organizacional. RAE, Rio de Janeiro, 46, (4), 48-65.

Ferreira, L. C. M., Garcia, F. C. & Vieira, A. (2010). Relações de poder e decisão: conflitos entre médicos e administradores hospitalares. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 11, (6), 31-54.

Fishmann, A. A., Zilber, M. A. (2000). Utilização de indicadores de desempenho para a tomada de decisões estratégicas: um sistema de controle. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 1, 9-25.

Freitas, C.A., Hoffmann, V. E. (2010). A percepção das estratégias de influências dos stakeholders e sua relação com a estratégia genérica – Estudo de caso em pequenas empresas comerciais do litoral norte catarinense. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 34. Rio de Janeiro, Brasil, ANPAD.

Frezatti, F. (2005). Beyong budgeting: inovação ou resgate de antigos conceitos do orçamento empresarial? Revista de Administração de Empresas – RAE, 45, 23-33.

Frooman, J. (1999). Stakeholder influence strategy, Academy of Management Review, 24, 191-205. doi:10.2307/259074

Funck, E. (2007). The balanced scorecard equates interests in the healthcare organizations. Journal of Accounting & Organizational Change, 3, 88-103. doi:10.1108/18325910710756122

Galas, E. S., Forte, S. H. A. C. (2005). Fatores que interferem na implantação de um modelo de gestão estratégica baseado no Balanced scorecard: estudo de caso em uma instituição pública. Revista de administração Mackenzie, 6, 87-111.

Guimarães, E. M. P., Évora, Y. D. M. (2004). Sistema de informação: instrumento para tomada de decisão no exercício da gerência. Ciência da Informação, 33, (1).

Hansen, P. B., Guimarães, F. M. (2009). Análise da implementação de estratégia em empresa hospitalar com uso de mapas cognitivos. RAE, São Paulo, 49 (4), 434-446.

Inamdar, N., R. S. Kaplan, & Bower (2002). "Applying the balanced scorecard in healthcare provider organizations." Journal of Health Care Management, 47 (3), 179-195.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1992). The balanced scorecard – Measures that drive performance. Harvard Business Review. Boston, 70, (1), 71-79.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação – BSC. 26 ed. Rio de Janeiro: Campus.

__________________________ (September/october 2000). Having trouble with uour strategy? Then map it. Harvard Business Review.

__________________________ (2000). Organização orientada para a estratégia: como as empresas adotam o balanced scorecard no novo ambiente de negócios, Rio de Janeiro: Campus.

__________________________ (2001). The strategy-focused organization: how balanced scorecard companies thrive in the new business environment: Harvard Business School.

Lawrie, G., Cobbold, I. (2004). Third-generation balanced scorecard: evolution of an effective strategic control tool. International Journal of Productive and Performance management. 53, (7).

Leite, R. M., Cherobim, A. M. S., Silva, H. F. N. & Bufrem, L. S. (2008). Orçamento empresarial: Levantamento da produção científica de 1995 a 2006. Revista Contabilidade & Finanças – USP, São Paulo, 19, (47), 56-72.

Lima-Gonçalves, E., Aché, C. A. (1999). O hospital-empresa: do planejamento à conquista do mercado. Revista de Administração de Empresas – RAE, 39, (1), 84-97.

Malik, A. M., Pena, F. P. M. (2003). Administração estratégica em hospitais. São Paulo: FGV/EAESP – NPP, Relatório 21.

Martins, M. M. C.; Protil, R. M. & Doliveiras, S. L. (2010). Utilização do benchmarking na gestão estratégica das cooperativas agroindustriais paranaenses. Revista de Contabilidade e Organizações – RCO, Ribeirão Preto, SP, 4, (10), 127-151.

Mintzberg, H., Lampel, J. & Ahlstrand, B. (2000). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Miranda, L. C., Libonati, J. J. (2002). Planejamento operacional. In Schimidt, P. Controladoria: agregando valor para a empresa (1a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Mitchel, R., Agle, B., & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, 22, (4), 853-858. doi:10.2307/259247

Oliveira, D. P. R. (2006). Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas (22a ed.) São Paulo: Atlas.

Perez, G., Zwicker, R. (2010). Fatores determinantes da adoção de sistemas de informação na área de saúde: um estudo sobre o prontuário médico eletrônico. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 11, (1).

Rezende, D. A. (2003). Metodologia para projeto de planejamento estratégico de informações alinhado ao planejamento estratégico: a experiência do Senac-PR. Ciências da Informação, Brasília, 32, (3), 146-155.

Rigby, D. K. (2009). Ferramentas de gestão: um guia para executivos. São Paulo, Bain & Company.

Sabino, B. S., Procopiak, J. A., Hoffmann, R. A. & Hoffmann, V. E. (2005). A importância dos stakeholders na tomada de decisão das pousadas de Bombinhas. Turismo Visão e Ação, 7, (2).

SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2008). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2008. / Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos [responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos]. -- Brasília, DF : DIEESE.

Serra, F., Torres, M. C. S., Torres & Torres A. P. (2009). Administração estratégica. Florianópolis: Insular.

Sobanski, J. J. (1994). Prática de orçamento empresarial: um exercício programado. (3a ed.), São Paulo: Atlas.

Souza, A. A., Guerra, M., Lara, C. O., Gomide, P. L. R., Pereira, C. M., & Freitas, D. A. (2009). Controle de gestão em organizações hospitalares. Revista de Gestão USP, 16, (3), 15-29.

______, Lara, C. O., Neves, A. P. T. P., & Moreira, D. R. (2010). Indicadores de desempenho para hospitais: análise a partir dos dados divulgados para o público em geral. Congresso USP de Iniciação Cientifica em Contabilidade, (7a ed.), São Paulo, Anais do FIPECAFI USP.

Stoner, J. A. F., Freeman, R.E. (1985). Administração (5a ed.). Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756