After all, What variables Characterize the Existence of Local Productive Arrangements and Local Roduction Systems?

Rafael Mendes Lübeck, Milton Luiz Wittmann, Marcia Santos da Silva

Abstract


In this paper we established a distinction between the various terms used to characterize clusters of firms. Once in the literature, we identified that the terms, Local Productive Arrangements (LPA) and Local Production Systems (LPS) are used interchangeably. However, these terminologies refer to different stages of development of territorial agglomerations of firms. In the same way, the agglomeration of businesses belonging to a same production chain in a particular region would not necessarily characterize an LPA or LPS. The aim of this paper was to demonstrate the need to combine methods and variables to draw a more accurate and comprehensive territorial productive situation allowing the classification of clusters according to their stage of development and institutional structure. For that purpose, the strength of cooperation between local professionals was considered as a major factor, which creates a competitive advantage that requires exogenous interests to make use of the endogenous capabilities strategically developed and cultivated.


Keywords


Local Productive Arrangements; Clusters; Local and Regional Development; Local Production and Innovation Systems.

References


Albagli, S., Britto, J. (2003) “Glossário de arranjos produtivos locais”. Resedesist. Rio de Janeiro: Instituto de Economia da UFRJ, p. 29 (Nota Técnica).

Amato Neto, J.. (2002) Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas.

_______________ (2005) Redes entre organizações: domínio do conhecimento e da eficácia operacional. São Paulo, Atlas.

Amorim, M. A. (1998) "Clusters" como estratégia de desenvolvimento industrial no Ceará, Fortaleza: Banco do Nordeste.

Arretche, M. T. S. (1998) Tendências no estudo sobre avaliação. In: Rico, E. M. (org.). Avaliação de política sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cortez: IEE.

Baer, W. (1988) A industrialização e o desenvolvimento econômico do Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Balestrin, A., Verschoore, J. R. S.(2008) Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Banco Mundial. Que és capital social? 2002. Recuperado em 10 jan.2010, de http://www.worldbank.org/poverty/spanish/scapital/scwhyrell.htm.

Barquero, A.V. (2002) Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Batalha, M. O. (Coord). (2001) Gestão agroindustrial. São Paulo: Atlas, 2001.

Becattini, G. (1990) “The Marshallian industrial district as a socio-economic notion”. In: F. Pyke, F. Becattini e W. Sengenberger (orgs.), (ano???) Industrial Districts and Inter-firm Co-operation in Italy. Gênova: International Institute for Labor Studies.

______________ (1989) Sectors and/or districts: some remarks on the conceptual foundations of industrial economies, In: Goodman, E., Bamford, J., (eds.) Small firms and industrial districts in Italy. Londres: Routiedge.

Becker, D. F. , Wittmann, M. L.(2011) Desenvolvimento regional: abordagens interdisciplinares. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Bocayuva, P. C. C. (2001) Desenvolvimento local e redes socioprodutivas. In: Silveira, C. M.; Reis, L. C. (org). Desenvolvimento local: dinâmica e estratégias. Rede DLIS.

Bourdieu, P.(1986) The forms of capital. In: Richardson, J. (ed.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood Press.

Brito, E. P. Z. et al.( 2008) Arranjos produtivos locais e crescimento. In: Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação em Administração, 2008, Rio de Janeiro. Anais: ANPAD, 32.

Britto, J. (2000) Características dos clusters na economia brasileira. Rio de Janeiro: IE/UFRJ.

Brusco, S. (1990) “The idea of the industrial district: its genesis”. In: F. Pyke, G. Becattini e W. Sengenberger (eds.), Industrial districts and inter-firm cooperation in Italy. Gêneva: International Institute for Labour Studies, ILO.

Bykfalvy, A. (July 2007) Innovation, entrepreneurship and outsourcing: essays on the use of knowledge in business environments. (Doctor Europeus) Programme Innovación empresarial, R+D avaluación de la tecnologia”. Department of business Administration and Product Design. University of Girona.

Camarotti, L. (Nov. 2004) Construção de indicadores de desenvolvimento local. IX Congresso Internacional del CLAD sobre La Reforma del Estado y de la Administración Pública. Anais. Madrid, España, 2 – 5.

Carvalho, M. C. B. (1998) Introdução à temática da gesta social. In: Ávila, C.M. (coord.) Gestão de projetos sociais. (3ª ed.) São Paulo: AAPCS – Associação de Apoio ao Programa Capacitação Solidária.

Cassiolato, J. E., Lastres, H. M. M. (2005) (coord.).Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: IE/UFRJ/SEBRAE (Quinta revisão).

__________________ (1999)Inovação, globalização e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico, In: Cassiolato, J. E. e Lastres (orgs). Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no mercosul. brasília, ibict/mct.

Castro, A. M., Lima, S. M. V. (2001) Curso de capacitação de equipes para estudos prospectivos para cadeias produtivas industriais. Mdic/STI.

Chesbrough, H. E Kardon, A. (June, 2006) Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. R & D Management (36:3), 229-236.

Chiasson, G.(2003) Territories and actors in local development: new locus of democracy, Canadian Journal of Political Science – Revue Canadienne de Science Politique, 36(1), 214-5.

Coase, R.H.(nov.1937) The nature of the firm. Econômica, (4).

Coleman, J. S. (1990) Foundations of social theory. The Belknap Press of Harvard University Press. Cambridge, Londres.

Cooke, P., Morgan, K. (1998) The associational economy: fi rms, regions, and innovation. Oxford [Inglaterra]; Nova York: Oxford University Press.

___________ The associational economy: firms, regions and innovation.(1998) Oxford: Oxford University Press.

Costa, E. J.(2010) Políticas públicas e o desenvolvimento de arranjos produtivos locais em regiões periféricas. Recuperado em 6 janeiro 2010, de:

Crocco et al.(2003) Metodologia de identificação de arranjos produtivos locais potenciais: uma nota técnica. Recuperado em 10 jan.2009, de . Belo Horizonte: UFMG.

Crocco, M. A., Galinari, R. (2000) Minas Gerais do século XXI. integrando a indústria para o Futuro, 6.

Dotto, D. R., Wittmann, M. L., Boff, V. A. (2006) Sistemas locais de produção. In: Siedenberg, D. R. Dicionário do desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 147-148.

Evans, P. (1996) Government action, social capital and development: reviewing the evidence on synergy. World Development, 24(6),1119-1132. doi:10.1016/0305-750X(96)00021-6

Francis, D., Bessant, J. (2005) Targeting innovation and implications for capability development. Technovation. Amsterdam, 25(3), 171.

Freeman, C. (1987) Technology and economic performance: lessons from japan, London: Pinter Publishers.

___________ (1991)The nature of innovation and the evolution of productive system: OECD/TEP - The Technology Economy Programme, Technology and Productivity - The Challenge for Economy Policy, Paris.

Ghisi, F.A.(2005) Fatores críticos na sustentabilidade das centrais de negócios do setor supermercadista. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-Graduação Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil.

Gonçalves, A.C., Gonçalves, R., Santacruz, R., Matesco, V. (2005) Economia aplicada. Rio de Janeiro: FGV Editora.

Grandori, A., Soda, G. (1995) Inter-firm Network: antecedents, mechanisms and forms. In: Organization Studies, The Free Press.

Haguenauer, L.,Araújo Jr. J. T., Prochnik, V. E Guimarães, E. (1986) Complexos industriais na economia brasileira. Rio de Janeiro: IEI/UFRJ.

Iedi. (2002) Clusters ou sistemas locais de produção e inovação: identificação, caracterização e medidas de apoio. Recuperado em 10 jan 2010, de http://www.iedi.org.br/admin/pdf/20030516_clusters.pdf> São Paulo.

Jannuzzi, P. Indicadores sociais no Brasil. Conceitos, fontes de dados e aplicações. São Paulo: Ed. Alínea, 2001.

Jarrillo, J. C. (1988). On strategic networks. In: Strategic Management Journal, 9, 31-41. doi:10.1002/smj.4250090104

Keupp, M. M., Gassmann, O. (2009) Determinantes and archetype users of open innovation. R&D Management 39(4), 331-341. doi:10.1111/j.1467-9310.2009.00563.x

Kliksberg, B. (jul/set.1994b) Redesenho do Estado para o desenvolvimento socioeconômico e a mudança: uma agenda estratégica para a discussão. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 28(3), 5-25.

______________(1994ª) Uma gerência pública para os novos tempos. Revista do Serviço Público, Brasília, 118(1), 119-142, 1994a.

Krugman, P. (1991) Geography and trade. Cambridge, MA: MIT Press.

___________ (1999) The role of geography in development. In: B. Pleskovic e J. E. Stiglitz. Annual world bank conference on development economics, 1998. Washington, DC: The Word Bank.

______ (1995). Development, geography and economic theory. Cambridge: MIT Press.

Lederman, D.(2001) Socializing in Argentina: levels, geographic distribution and determinants social capital. Office of the Chief economist. Banco Mundial.

Lipnack, J., Stamps, J.(1994) Rede de informações. São Paulo: Makron Books.

Lundvall, B. A. (1995) National Systems of Innovation: Towards a theory of innovation and interactive learning. Londres: Pinter.

________________ Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the National Innovation Systems. In: G. Dosi, C. Freeman, R. R. Nelson, G. Silverberg, e L. Soete (eds.), Technology and economic Theory. Londres: Pinter Publishers, 1988.

________________ Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G. et al. (eds.) Technical change and economic theory. London: Printer, 1988.

Maillat, D.(1999) Regional productive systems and innovative milieux. LEED/OECD Network of enterprises and local development, OECD, Paris, 67-80.

Marcon, C., Moinet, N.(2000) Estratégia-rede: ensaio de estratégia. Caxias do Sul. Educs.

Markusen, A. (dez.1995) “Áreas de atração de investimentos em um espaço econômico cambiante: uma tipologia de distritos industriais”. Revista Nova Economia. Belo Horizonte: UFMG, 5(2).

Marshall, A. (1996) Princípios de economia. Tratado introdutório. São Paulo: Abril Cultural, I, cap. VIII. (Série Os economistas).

Martins, G. de A. (segundo semestre 1994) Metodologias convencionais e não-convencionais e a Administração. Cadernos de pesquisa em Administração. São Paulo 0(0).

Mazzucchelli, F. A. A contradição em processo: o capitalismo e suas crises. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Moraes, L. B. (2006) A espiral do conhecimento interorganizacional: a força dos valores sócio-culturais dos arranjos produtivos locais (APLs): o caso das confecções do Prado/BH. Belo Horizonte. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Nelson, R. R., Winter, S. G. (2005) Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas. Editora da Universidade Estadual de Campinas.

___________ (1982) An evolutionary theory of economic change. The Belknap Press of Harvard University Press, Cambridge.

Passador, C. S. (2003) O projeto escola do campo (1990-2002) do estado do Paraná: capital social, redes e agricultura familiar nas políticas públicas. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Porter, M. E (1993) Vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

____________ (1999) Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

____________ (Nov./Dec, 1998) Clusters and the new economics of competition, Harvard Business Review, 76(6), 77-90.

Prochnik, V. (1986) O macrocomplexo da construção civil. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

____________(2002) Cadeias produtivas e oportunidades de investimentos no Nordeste Brasileiro. Revista de Análise Econômica, Rio Grande do Sul, 38, 143-161.

Puga, F. P. (Junho, 2003) Alternativas de apoio a MPMEs localizadas em arranjos produtivos locais. Texto para discussão (99). Rio de Janeiro: BNDES.

Putnam, R.(2002) Comunidade e democracia: a experiência da Itália Moderna. Rio de Janeiro: FGV.

Pyke F., Becattini., Sengenberger W. 1990. Industrial districts and inter-firm co-operation in Italy. Geneva: International Institute for Labour Studies.

Rolnik, R., Nakano, K. (jan. 2001) Velhas questões, novos desafios. Cadernos Le Monde Diplomatique.

Ruediger, M. A., Riccio, V. (2005) O novo contrato social: desenvolvimento e justiça em uma sociedade completa. In: Cavalcanti, B. S.; Ruediger, M. A.; Sobreira, R. (org.) Desenvolvimento e construção nacional: políticas públicas. Rio de Janeiro: FGV.

Sabatier, P.A. (1991) Toward better theories of the policy process. In: Political Science & Politics, 24, 147-56.

Santos, M (1985). Espaço e método. Editora Nobel, São Paulo.

Santos, S. B. S. et al. (2006). Proposta de metodologia de identificação de clusters: uma aplicação ao turismo. In: Colóquio Internacional sobre Poder Local, 2006, Salvador... Anais: Salvador, Brasil, 10.

Schmitz, H. (1995) Small Shoemakers and Fordist Giants: Tale of a Supercluster, World Development, 23(1), 9-28. doi:10.1016/0305-750X(94)00110-K

___________ (1997)Colletive efficiency and increasing retuns. Brighton: Institute For Development Studies, University of Sussex (IDS Working Paper, 50).

___________ (1999)Global competition and local cooperation: success and failure in the Sinos Valley, Brazil, World Development, 27( 9),1627-1650. doi:10.1016/S0305-750X(99)00075-3

_______, Musyck, B. (1994) Industrial districts in Europe: policy lessons for developing countries?, World Development, 22(6), 889-910. doi:10.1016/0305-750X(94)90060-4

Schumpeter, J. A.(1985) A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

_______________(1942) Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Scott, A. (1998) “The geographic foundations of industrial performance”. In: A. Chandler Jr., P. Hagstrom e O. Solvell (eds.), The dynamic firm – the role of technology, organization and regions. Oxford: Oxford University.

Sebrae.(dezembro 2002) Subsídios para a identificação de clusters no Brasil.

Sen, A.(2000) Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Smith, R.(2008) The evolution of innovation. in: Research Technology Management, 51(3), 51-55.

Storper, M. (1996) Innovation as collective action: conventions, products and technologies. Industrial Corporate Change, 5(3), 761-789. doi:10.1093/icc/5.3.761

___________(1997) The Regional World. Territorial Development in a Global Economy. Londres:The Guilford Press.

Suzigan, W. et al. (Dez. 2003) Sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Anais... Encontro Nacional de Economia. Porto Seguro, 31.

Suzigan, W. et al. (2003) Coeficientes de Gini Locacional – GL: aplicação à indústria de calçados do Estado de São Paulo. Nova Economia, 13(2), 39-60.

Tavares, E. M. F. (mai. 2005) Avaliação de políticas públicas de desenvolvimento sustentável: dilemas teóricos e pragmáticos. Revista Holos. Natal, 21,120 – 129.

Teixeira, F. (2009) Políticas públicas para o desenvolvimento regional e local: o que podemos aprender com os arranjos produtivos locais (APLs)? Recuperado em 4 nov.2009, de http://www.revistaoes.ufba.br/viewarticle.php?id=478.

Tocqueville, A.(1962) A democracia na América. 3.ed. Belo Horizonte: Itatiaia.

Vargas, M. A. (2002a). Proximidade territorial, aprendizado e inovação: um estudo sobre a dimensão local dos processos de capacitação inovativa em arranjos e sistemas produtivos locais. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil.

Wittmann, M. L. , Ramos, M. P.(2004) Desenvolvimento regional: capital social, redes e planejamento. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 215 p.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756