Operational Level Participation in the Development Process of Strategies
Http://Dx.Doi.Org/10.5585/Riae.V10i1.1707

Aslei Andrade da Silva, Sérgio Luiz Lepsch

Abstract


The prime objective of this article is to investigate, through a multi-case study of five organizations from Brazil's Federal District, the operational level participation in the formulation phase of the strategic process and integration of these professionals with other hierarchical levels in organizations. Based on the theoretical referential that the conception of strategy and the strategic process is a reality built in an interactive and contextual manner, we opted for an exploratory qualitative research to investigate and analyze the data collected from the statements of interviewees. The results of this research reveal that although higher hierarchical levels (strategic and tactic) regard the participation of operational level professionals as vitally important to formulate the strategic process, in effect, that occurs in a limited fashion. Top management in organizations involves these professionals at various stages of the process, and neglects them in others. This omission can compromise the entire cycle of the strategic process and, consequently, the results to be obtained from it. In all studied organizations, there was no power distribution to allow for active participation - the highly political and traditional structure does not permit said activity. The primary finding of this study is to demonstrate that the importance of the operational level in the strategic process is not sufficient to drive excessively hierarchical organizations to grant them true participation.


Keywords


Organizational Strategy; Strategic Process; Participative Formulation of the Strategic Process.

References


Almeida, A. F. Planejamento estratégico e proatividade: um estudo de caso em duas unidades regionais do Banco Central do Brasil. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 4, n. 3, p. 177-199, set./dez. 2000.

Alday, H. E. C. O Planejamento estratégico dentro do conceito de administração estratégica. Revista da Faculdade Católica de Administração e Economia, Curitiba, v. 3, n. 2, p. 9-16, maio/ago. 2000.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Barros Neto, J. P. Proposta de um modelo de formulação de estratégias de produção para pequenas empresas de construção habitacional. 1999. 326 f. Tese de doutoramento – Escola de Administração, PPGA. Universidade Federal do RGS, Porto Alegre, 1999.

Ferreira, J. C. B.; Vilamaior, A. G.; Gomes, B. M. A. O poder nas organizações: conceitos, características e resultados. Revista do Instituto Superior Presidente Tancredo Neves, 15 p., dez. 2005.

Fleury, M. T. L.; Fischer, R. M. Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

Foucault, M. Microfísica do poder. 10. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

Furtado, R. A. Retomando o debate sobre gestão participativa nas empresas a partir da contribuição da teoria da estruturação. Rio de Janeiro: Anais do XXXII Encontro ENANPAD. ANPAD, set. 2008, 15 p.

Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

Hesselbein, F.; Goldsmith, M.; Beckhard, R. O líder do futuro: visões, estratégias e práticas para uma nova era. 6. ed. São Paulo: Futura, 1996.

Lemos, A. C. F. V.; LIima, S. R.; Desconci, T.; Ehlers, E. P. O planejamento estratégico como ferramenta competitiva. Anais do VII SEMEAD – Seminário em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. São Paulo: USP, 2004, 12 p.

Lepsch, S. L. Estratégias dos grandes e médios supermercados brasileiros na virada do século XX para o XXI: um estudo exploratório com 31 empresas do setor. 2001. 130 f. Tese de doutoramento – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

Lerner, W. Organização participativa: mais uma poderosa tecnologia na busca da competitividade. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

Maximiano, A. C. A. Além da Hierarquia: como implantar estratégias participativas para administrar a empresa enxuta. São Paulo: Atlas, 1995.

Mintzberg, H. Criando Organizações Eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Mintzberg, H.; Quinn, J. B. O Processo da Estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Mintzberg, H.; Ahlstrand, B.; Lampel, J. Safári de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

Oliveira, D. P. R. Teoria Geral da Administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2008.

Oliveira, F. C. e Castelo, P. J. A administração participativa – uma experiência vivenciada no comitê da bacia hidrográfica do Curu, no estado do Ceará. Revista do Centro de Ciências Administrativas de Fortaleza, v. 11, n. especial, p. 41-51, 2005.

Ouchi, W. G. Markets, bureaucracies, and clans. Administrative Science Quarterly, n. 25, mar., 120-142, 2000.

Panegalli, J. C. Facilitando o processo de planejamento e gestão nas organizações. Revista Contemporânea de Contabilidade, ano 01, v. 01, n. 02, p. 11-40, jul./dez. 2004.

Pereira, M. J. L. B.; Fonseca, J. G. M. Faces da decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo: Makron Books, 1997.

Richardson, R. J. e Colaboradores. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Senge, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. 4. ed. São Paulo: Best Seller, 1999.

Vergara, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Whiteley, R. C. A empresa totalmente voltada para o cliente: do planejamento à ação. 20. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

Wright, P.; Kroll, M. J.; Parnell, J. Administração Estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756